A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

20/04/2012 15:50

De forma pacífica, sem-terra iniciam desocupação de fazenda em Batayporã

Fabiano Arruda
Ouvidor do Incra (de camisa branca), Sidnei Ferreira de Almeida, conversa com integrantes do MST observado por policiais militares. (Foto: Nova News)Ouvidor do Incra (de camisa branca), Sidnei Ferreira de Almeida, conversa com integrantes do MST observado por policiais militares. (Foto: Nova News)

Pelo menos 470 pessoas ligadas ao MST (Movimento dos Trabalhadores Sem-Terra) começaram, no início da tarde desta sexta-feira, a desocupação da fazenda Boa Esperança, localizada às margens da rodovia MS-134, há cerca de 10 quilômetros da sede do município de Batayporã.

Veja Mais
Após sete dias de ocupação, sem-terra devem deixar fazenda em Batayporã
Sem-terra invadem fazenda às margens da MS-134, em Batayporã

Após uma semana no local, as famílias deixam o local de forma pacífica. A saída deve ser concluída apenas neste sábado por conta do alto número de barracas que estavam montadas.

As informações são do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária). Os sem-terra começaram a sair do local após o ouvidor da superintendência do órgão em Campo Grande, Sidnei Ferreira de Almeida, dialogar com os manifestantes.

Cerca de 40 policiais militares acompanharam o desfecho da negociação. Os sem-terra decidiram voltar ao mesmo local onde estavam, às margens da MS-134.

Os integrantes do MST concordaram com a desocupação após entregarem relatório com dez fazendas da região do Vale do Ivinhema ao Incra. Eles exigem vistoria nas propriedades e argumentam que as terras são improdutivas.

A lista de fazendas tem endereços, nomes das propriedades e dos donos. O instituto concordou com a condição, mas não prometeu comprar ou desapropriar terras por conta de liminar da Justiça Federal que impede que o Incra crie novos assentamentos até que sejam vistoriados todos os lotes em Mato Grosso do Sul.

A superintendência do órgão, no entanto, admite que o processo de vistoria dos 5,9 mil lotes em 178 assentamentos no Estado não tem prazo previsto para ser finalizado.

Os manifestantes ocuparam a propriedade rural em Batayporã e revelaram que as invasões fazem parte das atividades realizadas no período chamado por eles de “Abril Vermelho”.

Dois homens são presos por suspeita de estupro de adolescentes
Dois homens foram presos por estupro de vulnerável em Laguna Carapã, 287 km de Campo Grande. Eles têm 28 e 24 anos e teriam tido relação sexual com a...
Dupla armada invade madeireira e rouba dinheiro do pagamento de funcionários
Dois homens armados invadiram uma madeireira e roubaram R$ 15 mil por volta das 15h30 de ontem (9) no Distrito Industrial de Dourados - distante 233 ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions