A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

02/05/2013 11:00

Defensoria pode acionar Estado por oferecer curso técnico sem validade

Aline dos Santos

A Defensoria Pública pode entrar com ação de indenização contra o Estado por oferecer curso técnico sem validade.

Veja Mais
Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul
Pistoleiro morre baleado durante confronto com a polícia do Paraguai

A denúncia partiu de 33 alunos que fizeram as aulas para formação em técnico de agronegócio, oferecido pela SED (Secretaria Estadual de Educação), na escola Professora Nair Palácio de Souza, em Nova Andradina. O ingresso foi em 2011 e a conclusão em julho de 2012, totalizando 1.600 horas.

De acordo Flávio Cardoso de Brito, desde então eles buscam o registro profissional. “Ficamos impossibilitados de prestar concursos públicos e até mesmo exercer nossa profissão em empresas privadas se acaso a mesma solicitar o registro”, afirma.

Os formados tentaram obter o registro no Crea (Conselho Regional de Engenharia e Agronomia), contudo o pedido foi indeferido no último 10 de abril. O conselho justificou que o curso não ofereceu estágio, mas somente visitas técnicas. Segundo Flávio Brito, a SED errou na montagem da grade curricular, que não previa período de estágio.

Na negativa, o Crea sugeriu que os alunos buscassem registro no CRA (Conselho Regional de Administração). “Segundo o setor de registro, o órgão só credencia cursos superiores”, conta Flávio Brito, diante de mais uma tentativa frustrada.

Consultado pelo grupo, o Ministério da Educação informou que o curso de técnico em agronegócio faz parte da lista de ensino disponibilizada às secretarias estaduais. Contudo, a responsabilidade de montar o curso é de cada Secretaria de Educação.

O defensor público Helkis Clark Ghizzi afirma que estuda o caso e pode entrar com o pedido de indenização, pois os alunos foram “ludibriados na expectativa” de trabalhar na função de técnico em agronegócio. O curso era gratuito, mas muitos gastavam com transporte para vir de cidades vizinhas a Nova Andradina, como Batayporã e Ivinhema.

“Não tenho como obrigar que algum conselho regional faça o registro”, explica o defensor. A atribuição profissional é o ato específico de consignar direitos e responsabilidades para o exercício da profissão, em reconhecimento de competências e habilidades derivadas de formação profissional obtida em curso.

Uma segunda turma do curso técnico se forma neste ano. A reportagem entrou em contato com a assessoria de imprensa da Secretaria Estadual de Educação e aguarda posicionamento.

 

Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul
A Sanesul e a prefeitura de Nova Alvorada do Sul - cidade localizada a 120 km de Campo Grande - terão que criar no município rede coletora e estação ...
Médico nega que tenha abandonado pacientes e diz que foi autorizado a sair
O médico Carlos José da Costa Duran, de 41 anos, nega que tenha abandonado o plantão no hospital e maternidade Idimaque Paes Ferreira, o único em Rio...



Espero que a defensoria Publica evite atos danosos como este. O Brasil esta vivendo a era(fase)do Diploma: muitas pessoas com o "canudo" na mão, porém, nada, nada de conhecimentos.
 
Edson Chaves em 02/05/2013 14:09:27
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions