A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

08/05/2015 15:01

Depois de três quilômetros de congestionamento, MST desbloqueia rodovias

Mariana Rodrigues
O protesto faz parte de uma série de ações que começou na sexta-feira (1). (Foto: Almir Portela/Nova News)O protesto faz parte de uma série de ações que começou na sexta-feira (1). (Foto: Almir Portela/Nova News)

Integrantes ligados ao MST (Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-terra) desbloquearam, no início da tarde de hoje (8), os dois pontos onde eram realizados os protestos. Os integrantes desbloquearam o KM 25 da BR 163, próximo a Mundo Novo e KM 103,5, próximo a Naviraí. O bloqueio teve início às 8 horas e terminou por volta dos meio dia.

Veja Mais
Após mais de 6h de bloqueio e 5 km de congestionamento, MST liberam tráfego 267
Diretor do MST pede apoio e melhores condições a assentados em MS

Segundo informações da PRF (Polícia Rodoviária Federal), houve a migração do bloqueio do Km 103,5 da BR 163, trevo que dá acesso a Icaraíma, cidade do Paraná, a MS 487. Contudo, veículos se aglomeraram na BR 163, próximo a Naviraí. Esse tumulto causou uma fila, ocasionando um congestionamento de aproximadamente três quilômetros.

No local, ainda conforme informações da PRF, estavam sendo liberadas apenas a passagem de ambulâncias. Os policiais rodoviários se dirigiram até as rodovias para orientar os condutores dos veículos. Também ocorreu a liberação em Mundo Novo, na BR 163, Km 25,8.

O protesto faz parte de uma série de ações que começou na sexta-feira (1), quando um grupo de 700 pessoas saiu em marcha de Anhanduí e chegou nesta quarta-feira (5) em Campo Grande. Desde quarta-feira (6), cerca de 400 integrantes de movimentos sindicais rurais ocupam a sede do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) em Campo Grande.

A "Marcha da Classe Trabalhadora" quer chamar a atenção contra a PEC 215, que pretende transferir do Governo Federal para o Congresso Nacional a responsabilidade pela demarcação de territórios indígenas e áreas quilombolas. A marcha também é contra o PL 4330, que é o projeto de lei da terceirização, e contra a redução da maioridade penal.

Diretor do MST pede apoio e melhores condições a assentados em MS
O diretor do MST (Movimento Sem Terra), Cleiton Alexandre Pereira, utilizou a tribuna da Assembleia Legislativa, na sessão de hoje (06), para pedir a...
MST e sindicatos fazem protesto pela reforma agrária pelas ruas da Capital
Integrantes de pelo menos cinco movimentos sindicais e sociais realizam uma marcha, neste momento, pelas ruas de Campo Grande. O ato denominado como ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions