A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

23/10/2013 09:02

Diretora de hospital rebate prefeito de Rio Negro e nega desvio de verbas

Vinícius Squinelo

Após acusações dobre desvio de verbas no Hospital e Maternidade Idimaque Paes Ferreira, em Rio Negro, a presidente da instituição, Celina Flores Batosta Martins rebateu o prefeito da cidade Gilson Antonio Romano (PMDB) e afirmou não existirem irregularidades.

Veja Mais
Após briga, prefeito rompe contrato e Rio Negro fica sem médicos
CRM lamenta agressão de médicos por prefeito de Rio Negro

“Ele não tem como provar esse desvio, o mínimo que ele poderia passar (de verba) para o hospital nem dava para pagar os plantões, especialistas e exames”, defendeu Celina.

Segundo ela, o dinheiro da instituição quase não dava para pagar as contas. “Nem dinheiro para desviar tem”, ironizou.

Após briga, o prefeito Gilson rompeu convênio com a Associação Beneficente, mantenedora do Hospital e Maternidade Idimaque Paes Ferreira, e Rio Negro está, há um mês, sem médicos. Segundo a presidente da instituição, Celina, a decisão inviabiliza o atendimento e se trata de “retaliação política”. Por outro lado, o prefeito a acusa de ajudar a desviar, em oito meses, cerca de R$ 231,3 mil do hospital.

O impasse começou no final de setembro, quanto Romano brigou com os dois únicos médicos da cidade, Roberto Rangel e Ivan da Costa. Eles foram cobrar R$ 60 mil para pagar os funcionários do posto de saúde do município. Em resposta, o prefeito teria partido para cima dos dois, desferindo socos. O gestor, por usa vez, negou a agressão física e os médicos decidiram atender em outras cidades.

Na última sexta-feira (18), a história teve novo capítulo. Na data, Celina surpreendeu-se com a decisão da prefeitura de romper convênio com o hospital. Segundo ela, a administração municipal repassa mensalmente R$ 44 mil à instituição.

Desvio de verba - Por outro lado, o prefeito acusa Celina e seu ex-secretário de Saúde de desviarem do hospital, em oito meses, R$ 213,315 mil. “Por mês, eles desviaram para suas contas particulares de R$ 32 mil a R$ 38 mil”, declarou. “Fizeram barbaridades no hospital e temos como provar isso”, completou.

Romano ainda declarou não deixar descoberto o atendimento ao público. Segundo ele, a prefeitura só cancelou o repasse de R$ 20 mil por decidir fazer diretamente o pagamento aos plantonistas. “Todas as manhãs, temos médicos de plantão e no fim de semana também”, ressaltou.

Ele, porém, reconheceu que à tarde a população fica sem médico. “Mas Corguinho, a 50 quilômetros daqui, já está sabendo que, no caso de qualquer emergência, será acionado”, minimizou. “Estamos por conta da sorte”, rebateu Celina.

Após briga, prefeito rompe contrato e Rio Negro fica sem médicos
Após briga, o prefeito Gilson Antonio Romano (PMDB) rompeu convênio com a Associação Beneficente, mantenedora do Hospital e Maternidade Idimaque Paes...
CRM lamenta agressão de médicos por prefeito de Rio Negro
O Conselho Regional de Medicina do Estado de Mato Grosso do Sul lamentou, em nota oficial divulgada nesta noite, a suposta agressão do prefeito de Ri...
Homem é esfaqueado e encontrado morto em frente de casa
Almir Caetano Lima, 39, foi encontrado morto com sinais de esfaqueamento na barriga, às 7h deste sábado (3) no bairro Cascatinha II em Sidrolândia, d...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions