A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

16/10/2013 09:17

Dono de restaurante nega preconceito e diz que lei veta venda de bebida a índios

Aline dos Santos

“Não é preconceito, é lei”. A afirmação é de Aparecido Rojo Duarte, sócio-proprietário do restaurante Zero Hora, no município de Miranda, em reposta à denúncia de que cinco índios terenas sofreram discriminação, ontem, no estabelecimento comercial.

Veja Mais
Após suposto conflito, PF reforça segurança em fazenda invadida em Miranda
Índios terena denunciam preconceito sofrido em restaurante de Miranda

Segundo ele, os terenas queriam comprar cerveja, mas lei federal proíbe a venda de bebida alcoólica para indígenas. “A venda é proibida, é ilegal. O garçom e o gerente tiveram esse entendimento”, afirma.

A Lei Federal 6.001/73 prevê detenção de seis meses a dois anos para quem for flagrado vendendo bebida a índios. “Não discriminamos. Os índios vendem aqui em frente da lanchonete, usam nossos banheiros, compramos a produção deles. Não tem preconceito”, afirma Aparecido Duarte.

Na versão da enfermeira Zuleica Tiago, de 24 anos, um dos garçons do estabelecimento, localizado na BR-262, disse que o restaurante iria “parar de atender os índios”. Ela explica que foi em companhia do pai e de outros parentes visitar os indígenas que participam de invasão de imóveis rurais em Miranda. Aparecido Duarte disse que pode denunciá-la por calúnia e difamação.

Após suposto conflito, PF reforça segurança em fazenda invadida em Miranda
Homens da Polícia Federal reforçaram a segurança da chácara Boa Esperança, em Miranda, a 201 quilômetros de Campo Grande, invadida desde a última qua...
Índios terena denunciam preconceito sofrido em restaurante de Miranda
Um grupo de cinco índios terena da mesma família denuncia um episódio de preconceito ocorrido no fim da tarde de ontem (14), no restaurante Zero Hora...
Índios que invadiram área denunciam terceiro ataque em 5 dias
Os índios terenas que invadiram chácaras em Miranda denunciam que sofreram o terceiro ataque no período de cinco dias. “Foi ontem, por volta das 20h....



Realmente somos índios natos desse imenso Mato Grosso do Sul, não vou discutir com o dono do estabelecimento comerciais, quero deixar claro, nós estamos comentando da forma como fomos atendidos de negar o atendimento....Não é calunia nem difamação, muito pelo contrário, compramos muitas coisa lá: camiseta, bijouterias, lanchamos, como o costume dos outros cidadãos, prova disso o comprovante de ticket da caixa.....Mas lembrar da aplicação da Lei 6001, agora em pelo movimento de Retomada, eu acho ta um pouco fora, quantas vezes que passei nesse Restaurante, como, tomo uns cervejinha, nunca negou o atendimento...Somos cidadãos, temos Direitos Iguais, estamos no Séc..XXII.....E ainda usa 6001, pra sair fora do Preconceito.......
 
Estevinho Tiago em 17/10/2013 10:21:34
Senhor Samuel, se os índios estão tão integrados à comunhão nacional, porque ainda querem receber tantos benefícios??? Realmente, existe um contrassenso muito grande nesse país! Nem todos tiveram um tataravô injustiçado há 500 anos atrás ou todos tiveram?????
 
Elvis da Silva em 16/10/2013 17:43:48
Realmente, palhaçada viu...denunciar pq não queriam vender bebida pra eles..??...brincadeira viu..antes fosse algo mais sério...

http://www.funai.gov.br/quem/legislacao/estatuto_indio.html
 
Sandriane Soares Batista em 16/10/2013 17:30:55
Eu só acho graça desse história. No Brasil é assim, os "índios" só são índios quando lhes interessa e os mantem impunes. Deve existir igualdade na hora de servir cachaça e na hora de pagar impostos, coisas que os índios não fazem. Que os índios tomem cachaça ou seja lá o que bem entenderem, desde que paguem a bebida com o resultado de seu próprio trabalho e dignamente, assim como todo brasileiro faz.

 
Magda Correa em 16/10/2013 16:55:04
Desde de que me entendo por gente conheço os donos do Zero Hora e sempre trabalhando, o q acorda mais tarde nessa família acorda 6 hrs da manhã e é claro pra trabalhar. Agora a sra. Enfermeira vem lá não sei de onde pra tentar denegrir a imagem de uma empresa que está entre as que mais geram empregos e renda em nossa cidade. Ela poderia ao menos se informar antes de cometer tamanho erro, prq até onde sei nenhum dos sócios do zero hora é proprietário de terras invadidas, então prq eles a discriminariam? Acho que a Dona Enfermeira Zuleica Tiago mandou mal e merecia sim um processinho por calúnia e difamação.
 
Getulio Branco em 16/10/2013 16:49:09
Bom eu acho que lei e lei e deve ser cumprida! Segundo pra melhor entendedor
Todos sabemos, que os indígenas tem uma documentação
Especial! E depois êh triste saber que anos e anos aumenta se
Mais o número de alcoólatras nas aldeias! Então pois ao invés
De acusar devem apoiar para que o álcool que êh um droga
Não chegue aos nosso indígenas!
Eu particularmente tenho muito respeito e admiração!
 
Juliana alves em 16/10/2013 13:03:53
Se a pessoa se identificou como índio, estava caracterizado de índio, etc e tal, então a lei deve mesmo ser cumprida: Não vender bebidas alcoolicas para índios! Na hora de leis específicas, os índios são "índios". Não são iguais a todos os outros brasileiros. Na hora que a lei específica limita os direitos deles (que não podem beber cerveja, como nós brancos podemos ???????) aí não quer mais ser diferente???? Acredito que a lei deveria ser a mesma para todos. Afinal, os índios são tão brasileiros quanto os não índios. Deveriam ser respeitados e ter os mesmos direitos que os outros (não índios). E ter também as mesmas obrigações... É fácil querer direitos. Mas a lei diferente também traz limitações, e aí ninguem quer...
 
Prudenciano Rodrigues em 16/10/2013 12:04:48
como distinguir quem é índio ou não em Miranda????? pra mim é discriminação sim, e eu até fui atendido por uma pessoa com todos os traços indígena no dito estabelecimento!!! esse Aparecido ta se aparecendo demais, ele até compra "xupú " e maxixe das indígenas e agora vem desdenhar dos nossos compatriotas!!!!
 
heldo silva em 16/10/2013 11:10:59
A lei 5.521/50 pune aquele comerciante que sonegar ou recusar a venda em seu comercio...porem a lei nº 6001/73, proibe expressamente a venda de bebidas alcoolicas a indios, mas apenas à aqueles "NÃO INTEGRADOS A COMUNHÃO NACIONAL... O índio terena é o mais integrado a sociedade envolvente, prova disso é a grande procura em epoca de eleição de politicos, possuem CPF, RG, CNH,Diplomas e pleno conhecimento das leis vigente e caso pratique algum ilicito sabe que será punido na forma da lei.Eu mesmo já tomei umas e outras no Zero Hora, sem problemas nenhum. O que deve ter acontecido foi uma denuncia evasiva da enfermeira que se sentido ofendida e sem o conhecimento da lei,saiu-se com essa. Atitude correta a do comerciante que apenas cumpriu a lei.
 
samuel gomes-terena-sidrolandia-ms em 16/10/2013 10:30:07
Se é lei, então, errados seriam aqueles que vendem a bebida alcoólica.
Mas, como definir exatamente o que é índio? Não tem crachá e nem uniforme.
Se for observar a cor ou pela fisionomia, então teremos um grande problema, pois uma parcela considerável da população do estado poderia ser classificado como indígena.
 
Romeu Luitz em 16/10/2013 09:46:34
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions