A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

19/02/2014 15:35

Em Corumbá, quilombolas não tem acesso a água, luz e coleta de lixo, diz MPF

Zana Zaidan
Durante visita do MPF, foi constatado acúmulo de sujeira sem coleta de lixo na comunidade (Foto: Divulgação)Durante visita do MPF, foi constatado acúmulo de sujeira sem coleta de lixo na comunidade (Foto: Divulgação)

O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul constatou que moradores da Comunidade Quilombola Família Campos Correia, em Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande, vivem em situação precária na periferia da cidade, sem acesso à água potável, energia elétrica ou coleta de lixo.

A situação foi denunciada ao MPF pelo Imnegra (Instituto Mulher Negra do Pantanal). O órgão visitou a comunidade e conversou com os 100 moradores em janeiro deste ano e, segundo eles, se sentem esquecidos pelos órgãos públicos. O instituto também afirmou ter procurado várias secretarias municipais para prestar auxílio aos quilombolas, sem nenhuma resposta.

Os descendentes de negros acreditam que a falta de demarcação da terra tem inibido a prestação de serviços básicos e que a construção de um imóvel no local dificultou ainda mais o acesso à comunidade.

“A falta de regularização fundiária não deve impedir que a prestação de serviços básicos - como infraestrutura, saúde e segurança - seja desde já adotada. Ao contrário, prestar esse atendimento é uma forma de garantir direitos sociais mínimos a uma comunidade vulnerável”, destaca o MPF.

 

Comunidade fica na periferia de Corumbá (Foto: Divulgação)Comunidade fica na periferia de Corumbá (Foto: Divulgação)

Ofícios – Após a fiscalização, o MPF enviou ofício para empresas e órgãos públicos de Corumbá. Foram solicitados à Enersul (Empresa Energética de Mato Grosso do Sul) e a Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) esclarecimentos sobre o fornecimento de energia elétrica e água na região e estipular prazo para regulação do serviço.

No entanto, o gerente regional da Sanesul, Sérgio de Araujo Philbois, afirma que o ofício não chegou à empresa. Além disso, explica que a concessionária atende exclusivamente dentro do perímetro urbano em todos os municípios de cobertura, por isso, o abastecimento na comunidade não é da competência da Sanesul. A Enersul também alega não ter recebido o ofício, e se manifestará prontamente assim que receber o documento. 

Quanto aos órgãos públicos municipais, o MPF encaminhou ofício para a Secretaria de Assistência Social, que deve realizar um levantamento na comunidade para viabilizar a inclusão dos moradores no Cadastro Único Indígena e Quilombola (Cadunico), e para a Secretaria de Infraestrutura, Habitação e Serviços Públicos, para possibilitar a instalação de pontos de coleta de lixo.

A Defesa Civil também deve atuar na comunidade, com a análise da natureza do terreno para elaboração de projeto de contenção de encosta.

O Ministério Público Federal também acompanha a regularização fundiária da comunidade. Processo demarcatório está em andamento no Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), em fase de licitação para elaboração de laudo antropológico.

(Matéria editada às 15h53 para acréscimo de informações)

TRF nega liminar que anularia processo demarcatório da Comunidade Quilombola
O TRF (Tribunal Regional Federal) negou liminar que iria anular o processo demarcatório da Comunidade Quilombola Dezidério Felipe Oliveira, uma área ...
Apuração no HR conclui que não houve 'falha ética' em mortes no local
Uma investigação interna realizada pela direção do HR (Hospital Regional) de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande para apurar a mo...



A maior parte das fazendas do Pantanal também não tem!!
 
Paulenir de Barros em 19/02/2014 19:19:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions