A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

19/02/2014 15:35

Em Corumbá, quilombolas não tem acesso a água, luz e coleta de lixo, diz MPF

Zana Zaidan
Durante visita do MPF, foi constatado acúmulo de sujeira sem coleta de lixo na comunidade (Foto: Divulgação)Durante visita do MPF, foi constatado acúmulo de sujeira sem coleta de lixo na comunidade (Foto: Divulgação)

O Ministério Público Federal em Mato Grosso do Sul constatou que moradores da Comunidade Quilombola Família Campos Correia, em Corumbá, a 419 quilômetros de Campo Grande, vivem em situação precária na periferia da cidade, sem acesso à água potável, energia elétrica ou coleta de lixo.

Veja Mais
Vivendo em condições precárias, quilombolas sonham com casa nova
Governador entrega casas e inaugura escola em comunidade quilombola

A situação foi denunciada ao MPF pelo Imnegra (Instituto Mulher Negra do Pantanal). O órgão visitou a comunidade e conversou com os 100 moradores em janeiro deste ano e, segundo eles, se sentem esquecidos pelos órgãos públicos. O instituto também afirmou ter procurado várias secretarias municipais para prestar auxílio aos quilombolas, sem nenhuma resposta.

Os descendentes de negros acreditam que a falta de demarcação da terra tem inibido a prestação de serviços básicos e que a construção de um imóvel no local dificultou ainda mais o acesso à comunidade.

“A falta de regularização fundiária não deve impedir que a prestação de serviços básicos - como infraestrutura, saúde e segurança - seja desde já adotada. Ao contrário, prestar esse atendimento é uma forma de garantir direitos sociais mínimos a uma comunidade vulnerável”, destaca o MPF.

 

Comunidade fica na periferia de Corumbá (Foto: Divulgação)Comunidade fica na periferia de Corumbá (Foto: Divulgação)

Ofícios – Após a fiscalização, o MPF enviou ofício para empresas e órgãos públicos de Corumbá. Foram solicitados à Enersul (Empresa Energética de Mato Grosso do Sul) e a Sanesul (Empresa de Saneamento de Mato Grosso do Sul) esclarecimentos sobre o fornecimento de energia elétrica e água na região e estipular prazo para regulação do serviço.

No entanto, o gerente regional da Sanesul, Sérgio de Araujo Philbois, afirma que o ofício não chegou à empresa. Além disso, explica que a concessionária atende exclusivamente dentro do perímetro urbano em todos os municípios de cobertura, por isso, o abastecimento na comunidade não é da competência da Sanesul. A Enersul também alega não ter recebido o ofício, e se manifestará prontamente assim que receber o documento. 

Quanto aos órgãos públicos municipais, o MPF encaminhou ofício para a Secretaria de Assistência Social, que deve realizar um levantamento na comunidade para viabilizar a inclusão dos moradores no Cadastro Único Indígena e Quilombola (Cadunico), e para a Secretaria de Infraestrutura, Habitação e Serviços Públicos, para possibilitar a instalação de pontos de coleta de lixo.

A Defesa Civil também deve atuar na comunidade, com a análise da natureza do terreno para elaboração de projeto de contenção de encosta.

O Ministério Público Federal também acompanha a regularização fundiária da comunidade. Processo demarcatório está em andamento no Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária), em fase de licitação para elaboração de laudo antropológico.

(Matéria editada às 15h53 para acréscimo de informações)




A maior parte das fazendas do Pantanal também não tem!!
 
Paulenir de Barros em 19/02/2014 19:19:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions