A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

27/08/2015 11:34

Em greve há três meses, servidores da UFGD fazem “velório da educação”

Helio de Freitas, de Dourados
Grevistas da UFGD fazem velório da educação em protesto nesta quinta, no prédio da reitoria (Foto: Franz Mendes/Divulgação)Grevistas da UFGD fazem velório da educação em protesto nesta quinta, no prédio da reitoria (Foto: Franz Mendes/Divulgação)

Técnicos-administrativos da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), em greve há três meses, protestaram na manhã desta quinta-feira no prédio onde funciona a reitoria da instituição, em Dourados, a 233 km de Campo Grande.

Veja Mais
Servidores da UFGD distribuem banana para lembrar 2 meses de greve
Médicos do HU fazem reunião e podem aderir à greve de servidores da UFGD

Os grevistas fecharam a entrada da reitoria às 7h e montaram uma mesa, com velas, para simbolizar o velório da educação. No mural posicionado ao lado do caixão, cada servidor presente escreveu uma frase, dizendo, por qual motivo na sua opinião a educação está morrendo.

De acordo com o Sintef (Sindicato dos Trabalhadores em Educação das Instituições Federais), a mobilização faz parte de atividade nacional, “radicalizando o movimento para que o governo federal nos dê atenção e negocie com a categoria”.

Em Brasília, os grevistas vão se concentrar no período da tarde em frente ao prédio do MEC (Ministério da Educação), onde acontece mais uma rodada de negociação da categoria com o governo federal.

Segundo o Sintef, a semana é decisiva nas negociações, por isso os protestos foram intensificados, para sensibilizar o governo a conceder o reajuste antes do fechamento do orçamento da União para 2016. Os servidores administrativos das universidades federais brasileiras querem 27% de reajuste.

Sete mil sem aula – Na UFGD, maior universidade pública do interior de Mato Grosso do Sul, pelo menos sete mil estudantes estão sem aula desde maio. No início deste mês foi aprovada a suspensão do calendário acadêmico. Além dos 900 administrativos, pelo menos 500 professores da UFGD também estão em greve há 90 dias.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions