A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 22 de Janeiro de 2017

21/02/2012 10:44

Em pleno Carnaval, alunos acampam em escola como protesto contra municipalização

Paula Maciulevicius

Fachada da escola Luiz Carlos Sampaio, onde acadêmicos estão acampados. (Foto: Marcos Santi/Nova News)Fachada da escola Luiz Carlos Sampaio, onde acadêmicos estão acampados. (Foto: Marcos Santi/Nova News)

Estudantes do colégio Luiz Carlos Sampaio, no distrito de Nova Casa Verde, em Nova Andradina, deixaram a folia do Carnaval de lado e desde a última sexta-feira estão acampados na escola como protesto contra a possível municipalização do colégio.

Segundo o site Nova News, os alunos estão se organizando no revezamento no local, mobilizações em redes sociais, elaboração de abaixo-assinado com meta de 3 mil assinaturas e moção de ação civil pública, caso a municipalização seja promulgada em Diário Oficial.

A questão começou quando a parceria entre escolas municipal e estadual foi rompida, no início deste ano. Até março do ano passado, antes da inauguração do colégio Luiz Carlos Sampaio, a escola responsável pela matrícula dos alunos do ensino médio no distrito era a estadual Fátima Gaiotto Sampaio.

Situação que se inverteu após a ativação do colégio estadual, que passou a ceder salas para estudantes do 6º ao 9° ano do ensino fundamental. Segundo relato dos estudantes o impasse quanto à mudança de gestão se instaurou com o rompimento da parceria.

"Somos extensão de município, extensão de posto de saúde, extensão de escola. Tudo é extensão em Casa Verde e eu estou cansada de ser extensão", disse a estudante Deise Regina Lima, do 3° ano do ensino médio.

"O governo não pode dar com uma mão e tirar com a outra. Esse prédio não é do governo, ele é estadual, ele é nosso!", protesta a estudante. Para a secundarista, oficializar a decisão significa um retrocesso. "Antes não tínhamos biblioteca, sala de tecnologia, nem armários. E agora? Vamos voltar a pegar emprestado do município?", questiona.

Os manifestantes exigem também a permanência da atual diretoria, de todo o quadro de professores e demais funcionários.

Aluno compôs hino da causa usando o azul da cor do uniforme. (Foto: Marcos Santi/Nova News)Aluno compôs hino da causa usando o azul da cor do uniforme. (Foto: Marcos Santi/Nova News)

Entre os alunos, Antônio Carlos Shnnor, 41 anos, deficiente visual e estudante do 1º ano do ensino médio, até compôs uma música para embalar os protestos. Sob o refrão "Queremos a nossa bandeira azul. Queremos a nossa escola de Mato Grosso do Sul", os uniformes aos quais faz referência decidiram transformar a canção no hino da causa.

Policiamento - De acordo com o sargento policial militar Valdir Ferreira, é esperada uma manifestação pacífica. "Estamos com determinação para garantir a integridade física do pessoal e evitar que os ânimos se exaltem. Acredito que vai ser tranquilo", avalia.

A intenção dos manifestantes é permanecer na escola até obter uma resposta da Secretaria Estadual de Educação sobre o caso. "Esse carnaval vai ser para a gente lutar pelo o que é nosso", afirma a aluna Fernanda Dutra.

Homem é mantido refém durante roubo de caminhonete em estrada
Por volta das 6 horas deste domingo, um homem de 46 anos foi feito refém durante assalto ocorrido em estrada conhecida como cascalheira, via de acess...
Jovem morre ao colidir moto com caminhonete estacionada
Motociclista de 19 anos morreu, por volta da 1 hora deste domingo (22) ao colidir a moto que pilotava com uma caminhonete que estava estacionada na r...



... Nossa, que texto mal escrito, confuso.
 
Sarita Souza em 21/02/2012 11:14:04
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions