A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

28/07/2014 10:11

Enfermagem ameaça fazer greve em hospital a partir de quarta-feira

Caroline Maldonado
Sindicato decidiu paralisação em assembleia, na sexta-feira (Foto: Divulgação/Seta)Sindicato decidiu paralisação em assembleia, na sexta-feira (Foto: Divulgação/Seta)

Enfermeiros, técnicos e auxiliares do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora, em Três Lagoas, a 338 quilômetros de Campo Grande, ameaçam entrar em greve na quarta-feira (30).

Veja Mais
Veículo colide em capivara, sai da pista e pega fogo nas margens da MS-157
Embriagada e cansada de apanhar, mulher mata marido com facada

Em negociação, que se estende desde março, a categoria pede reajuste salarial de 15% e vale-alimentação no valor de R$ 150. No entanto, a direção do hospital ofereceu 8% de aumento salarial linear a todos os funcionários e R$ 10,00 a mais de vale alimentação, que atualmente é de R$ 100.

A decisão da paralisação foi tomada pelo Seta (Sindicato dos Enfermeiros, Técnicos e Auxiliares), em assembleia geral na sexta-feira (25). Para o presidente da entidade, João Carvalho, a classe da saúde é desvalorizada em Três Lagoas. “Nós, do Sindicato, vamos lutar para reverter essa situação. Nossa maior luta é conquistar um piso para os profissionais da saúde. Somos uma classe que trabalhamos muito, enfrentamos situações de risco a todos os momentos, mas infelizmente nossa remuneração é defasada”, afirmou Carvalho.

Segundo o Seta, a greve irá respeitar a lei, mantendo 30% dos funcionários trabalhando. “Temos ciência da importância de nossos serviços para a sociedade, por isso parte dos colaboradores continuarão trabalhando normalmente, dando todo suporte a população que não tem culpa da desvalorização imposta a nós”, explicou o presidente do sindicato.

O Sinees (Sindicato dos Empregados em Estabelecimentos de Saúde de Três Lagoas), por sua vez, acatou a proposta de 8% enviada pelo Hospital Auxiliadora. O Sinees representa os funcionários administrativos, serviços gerais, recepcionistas e outras funções.

A reportagem entrou em contato, por telefone, com a administração do Hospital Nossa Senhora Auxiliadora e até o fechamento desta matéria não obteve retorno.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions