A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

06/11/2012 18:29

Estudante indígena diz que foi discriminada durante o Enem

Gabriel Neris

A estudante Terena Gislene Dias Bernardo, de 18 anos, acusa responsáveis pela aplicação da prova do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) de discriminação. A jovem afirma que quase não conseguiu realizar a prova no domingo (4) na Escola Municipal Porfíria Lopes do Nascimento, em Sidrolândia, município localizado a 71 km de Campo Grande.

Veja Mais
Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Condutor abandona veículo carregado com 800 kg de maconha na BR-163

A estudante conta que no sábado, primeiro dia de provas do Enem, fez a prova naturalmente, sem qualquer anormalidade. Porém, no dia seguinte, afirma, houve confusão. Segundo Gislene, ao entrar na sala de aula, a estudante iria assinar a lista de presença e apresentar o documento pessoal. Mas o responsável pela aplicação da prova não teria aceitado a identidade indígena de Gislene como documento oficial.

A estudante foi encaminhada para a coordenação. A servidora pública da Secretaria Municipal de Sidrolândia Elaine Cristina Alves Batista, segundo a jovem, teria afirmado que ela “não poderia fazer a prova”. A mulher teria dito a ela que a jovem não iria fazer a prova, que a nota tirada no Enem não valeria por causa da identidade indígena.

O policial que fazia a ronda no local foi chamado para conter a confusão. Entretanto, Gislene também acusa o militar de discriminação. “Ele disse que índio só sabe invadir terra dos outros”, reclama. Ela afirma que o episódio também envolveu outros seis indígenas. “Teve gente retirada dentro da sala de aula”, conta. A jovem disse que conseguiu fazer a prova somente com a intervenção do vice-cacique Elizur Gabriel, da aldeia Córrego do Meio.

De acordo com Gislene, a esposa do vice-cacique foi uma das pessoas barradas para fazer a prova. Ela diz que acionou o MPE (Ministério Público Estadual) e a Funai (Fundação Nacional do Índio), registrou boletim de ocorrência, e pretende mover duas ações por discriminação e danos morais. A indígena conta que pretende ser fonoaudióloga. Esta foi a primeira vez que prestou o Enem e disputa a vaga pelo sistema de cotas.

A reportagem do Campo Grande News entrou em contato com Elaine Cristina Alves Batista, porém ela está impedida de dar entrevistas por ter assinado um termo de sigilo, obrigatório para todos que trabalham no Enem.

A assessoria de imprensa do Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais) afirmou que irá apurar o caso para se manifestar sobre o episódio.

Carreta da Justiça realiza 368 atendimentos na terceira etapa do projeto
Em oito dias de atendimentos da Carreta da Justiça em Taquarussu - município localizado a 332 km de Campo Grande -, o projeto do TJ-MS (Tribunal de J...
Sidrolândia comemora aniversário com 'balada cristã' e jogos do Operário
Sidrolândia - cidade localizada a 71 km de Campo Grande - completa no domingo (11) 63 anos de emancipação e vai receber várias atrações para comemora...
Mesmo algemada, mulher usa isqueiro e coloca fogo em viatura policial
Elaine Cristina da Silva de 37 anos foi presa na noite de ontem (8) em Sonora, distante 364 km de Campo Grande, por porte ilegal de arma. Porém, mesm...



Que justiça seja feita e os ditos educadores sejam punidos ao rigor da lei, será q só foi em Sidrolândia q jovens indígenas foram impedidos, nas avaliações do Enem ou em outros municípios também. Que vergonha!!!!!
 
Joel Reginaldo Sol em 06/11/2012 21:50:09
isso é uma vergonha...são humanos, e não bichos para ser tratados desse jeito, tem que haver punição mesmo, que paìs é esse em que vivemos que indios e negros são descriminados a todo momento...tá dando vergonha do brasil.
 
Rosana da silva almeida em 06/11/2012 21:28:38
Se o povo brasileiro gostasse de ler, descobriria um montão de coisas, incluindo os fatos nus e crus que permearam a vida do prórpio povo. Esse segurança certamente não sabe que através de muitos crimes (inclusive oficiais), o povo indígena ficou sem suas terras. Por isso emitiu a infeliz opinião. "...eu prefiro ser uma metamorfose ambulante do que ter aquela velha opinião formada sobre tudo" - Já dizia Raul Seixas nas década de 1970.
 
Antonio Carlos do Nascimento em 06/11/2012 21:01:59
Hoje está assim: se alguém passar por um indígena e der 'bom dia', será denunciado por discriminação; se não falar nada, também vai ser denunciado. Se olhar, será acusado de tentativa de alguma coisa qualquer 'politicamente incorreta'; se não olhar, será acusado de racista. Socorro...
 
Adriano Roberto dos Santos em 06/11/2012 20:49:12
o INDIO era dono de tudo antes, agora os BRANCOS, querem inverter a situação ou seja querem negar o direito elementar de que eles possam estudar e mudar de vida.. EH AINDA TEMOS MUITO QUE MELHORAR COMO NAÇÃO E CIDADANIA,,, mas tenho fé em Deus que vamos melhorar..
 
MATEUS COSTA em 06/11/2012 19:17:54
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions