A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

13/06/2013 09:46

Fazendeiros fazem manifestação em Sidrolândia contra as demarcações

Jéssica Benitez
Protesto de ruralistas pede paz no campo (Foto: Região News)Protesto de ruralistas pede paz no campo (Foto: Região News)

O feriado de Santo Antônio, padroeiro de Campo Grande, não impediu que produtores rurais da Capital se juntassem a manifestação que ocorre neste momento na BR – 060, em Sidrolândia. A união de fazendeiros de todo o Estado é para pedir paz no campo, após semanas de conflito entre eles e índios devido à demarcação de terras indígenas.

Veja Mais
Primeira manifestação de fazendeiros será nesta quinta-feira contra índios
Indígenas de Dourados fazem manifestação na MS-156 e não descartam invasões

Munidos de panfletos explicativos, os ruralistas sustentam o lema “onde tem Justiça tem espaço para todos”. Junto ao material impresso, estão sendo distribuídas para aos motoristas que trafegam pela rodovia, pequenos pacotes com sementes de hortaliças. A simbologia representa a esperança de um novo começo aos homens do campo com pacificação.

Amanhã é a vez de Nova Alvorada do Sul receber a manifestação, no entroncamento dos BRs – 163 e 267. Para coroar o pedido de paz, produtores aguardam presença da senadora Kátia Abreu (PSD-TO) entre outros parlamentares. Estima-se que mais de 4 mil fazendeiros, oriundos de todo Centro-Oeste, estejam presentes.

No início do mês, o presidente do Sindicato Rural da cidade, Osório Luiz Estralleoto, disse ao Campo Grande News que não há resistência em vender as terras ao Governo Federal. “Nós aceitamos vender as terras, desde que o governo pague o que é justo. Este impasse se arrasta há mais de 13 anos. Sabemos que os índios são vítimas de entidades que incitam a ocupação das fazendas”, justificou, fazendo referência ao CIMI (Conselho Indigenista Missionário) e Funai (Fundação Nacional do Índio).

Ao todo são 17 mil hectares reivindicados pela tribo Terena. A cidade foi palco de grandes discussões e conflitos que tiveram o auge no dia 30 de maio quando Oziel Gabriel, de 35 anos, foi morto durante o cumprimento de uma ação de reintegração de posse. Houve confronto entre os indígenas e policiais federais. Para tentar amenizar a situação uma tropa com 110 militares da Força Nacional está em Sidrolândia para patrulhar a região das fazendas e aldeias.

Resolução Financeira – Na avaliação do presidente da Acrissul (Associação dos Criadores de Mato Grosso do Sul), Francisco Maia, o investimento feito no estádio Mané Garrincha, construído para receber os jogos da Copa do Mundo 2014 em Brasília, avaliado em R$ 1,2 bilhão, seria mais que suficiente para pagar terras indígenas demarcadas, incluindo todas as benfeitorias, e sanar o conflito entre índios e fazendeiros em Mato Grosso do Sul.

“Claro que é apenas uma estimativa, mas somando 70 mil hectares acredito que seja cerca de R$ 1 bilhão para que o Governo Federal pague o valor justo pelas terras dos ruralistas do Estado. Depende de região para região, pode ser que seja até menos”, disse.




Eu queria saber que tipo de alimento estes produtores rurais cultivam em suas fazendas, ou se eles querem terra só pra criar gado e vender pro México as carnes nobres, ou talves quem sabe vender pra nós mesmo pelo preço de R$ 20,00 o kilo????
Ou quem sabe plantar eucaliptos para as gigantescas fabricas de papel ou de embalagens??
Porque emprego eles não oferecem!!!!
 
Daniela Fialho em 13/06/2013 19:48:07
A compra das terras de fazendeiros pelo governo mesmo que seja por um valor ridículo perto do será gasto na copa é impossível de ser feita, já que na compra de terras não existe a possibilidade de haver desvio de verba (roubo) já que os fazendeiros não aceitariam receber menos do que seria informado na mídia e também por não ter como supervalorizar a verba de compra. É por isso que os políticos só investem onde há possibilidade de desvio de verba (roubo). As obras da copa já estão 200% mais caras do que foi anunciado no inicio e isso foi dito pelo Romário nas mídia que o valor seria no mínimo o dobro pela roubalheira que existe.
 
Alexandre de Souza em 13/06/2013 15:44:23
Bom para os ruralistas... bom para os indios, só que quem vai pagar essas obras e essas terras é quem paga impostos..não vão ser os indios... aliás nem vão fazer nada de produtivo com essas terras!!!
 
Caio Prado em 13/06/2013 13:55:41
As terras são férteis? É necessário haver uma avaliação justa em caso de pagamento das terras demarcadas pelo governo. Cada hectare deve ser analisada com cuidado, bem como as benfeitorias. Um dos principais motivos do índio deixar as aldeias para vir morar na cidade é porque as terras não produzem o alimento como antes, ou seja: as terras já não são tão férteis, necessitando de revitalização o que demanda recursos. Por isso é preciso planejar bem este processo porque de nada resolve a doação da terra, sem que haja disponibilização de créditos para viabilizar a fixação do índio no campo.
 
ADALTO DE OLIVEIRA DIAS em 13/06/2013 13:37:52
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions