A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

01/12/2012 18:57

Filho de cacique assassinado pede que sociedade cobre solução para conflito

Alex Rodrigues, da Agência Brasil

Filho do cacique Marcos Veron, assassinado em janeiro de 2003, Ládio Veron pede que a sociedade procure se informar sobre a situação de abandono dos índios guaranis de Mato Grosso do Sul e cobre das autoridades federais e estaduais uma solução para o conflito entre as comunidades indígenas e os produtores rurais sul-mato-grossenses.

Veja Mais
Dois homens são presos por suspeita de estupro de adolescentes
Dupla armada invade madeireira e rouba dinheiro do pagamento de funcionários

"A gente pede para a sociedade não indigena olhar bem, analisar o sofrimento do povo Guarani Kaiowá. É alta a incidência de morte de lideranças, de crianças, de senhoras indígenas na hora dos despejos", disse Ládio em entrevista à Agência Brasil e à TV Brasil, se referindo à ação de retirada dos índios de áreas ocupadas em fazendas do estado.

Desocupações muitas vezes são feitas à força, sem autorização judicial, e não raramente por seguranças particulares contratados pelos donos das áreas ocupadas.

"As pessoas têm que olhar [o que está acontecendo] e pressionar o governo para que a demarcação de terras indígenas saia logo", declarou Ládio, apontando o pouco conhecimento da população sul-mato-grossense sobre a realidade vivida pelos índios.

"Nós índios não queremos Mato Grosso do Sul inteiro. Não estamos pedindo mais terras além daqueles pedaços onde nossos antepassados viveram. Aqueles pedaços que são sagrados para nós porque ali estão enterrados nossos antepassados", concluiu Ládio, uma das lideranças indígenas presentes a Aty Guasu, tradicional assembleia que reúne centenas de guaranis kaiowás e guaranis nhandevas que vivem no estado e que, este ano, começou nesta quarta-feira (28).

Filho mais velho do cacique Marcos Veron, Ládio foi, segundo a denúncia apresentada pelo Ministério Público Federal (MPF), um dos índios feridos pelo grupo de pistoleiros que, em janeiro de 2003, atacou o acampamento indígena. Até hoje, segundo ele, recebe ameaças de morte por lutar pelos direitos de sua comunidade.

Para Ládio, a proposta de o Estado brasileiro indenizar integralmente os donos de terras devidamente tituladas apontadas como terras tradicionais indígenas pode contribuir para que o conflito fundiário seja superado. Ele, contudo, diz que é preciso também destinar recursos para outros problemas que afetam seu povo.

"Vamos receber uma terra nua em que vamos ter que trabalhar muito para reflorestar. Então, também são necessários projetos de reflorestamento, projetos para que áreas se tornem sustentáveis. E, para isso, também os índios precisam de dinheiro", concluiu Ládio.

Dois homens são presos por suspeita de estupro de adolescentes
Dois homens foram presos por estupro de vulnerável em Laguna Carapã, 287 km de Campo Grande. Eles têm 28 e 24 anos e teriam tido relação sexual com a...
Dupla armada invade madeireira e rouba dinheiro do pagamento de funcionários
Dois homens armados invadiram uma madeireira e roubaram R$ 15 mil por volta das 15h30 de ontem (9) no Distrito Industrial de Dourados - distante 233 ...
Homem tem carro roubado por assaltantes armados na MS- 289
Assaltantes armados renderam o condutor de um veículo modelo Vectra e roubaram o carro por volta das 23h desta sexta-feira (9) na MS-289, em Amambai ...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions