A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

19/09/2012 11:01

Fronteira não é "bicho de sete cabeças", dizem policiais da região

Luciana Brazil
Comissário do Paraguai garante que o bom relacionamento entre os dois países garante sucesso no policiamento fronteiriço. (Fotos:Rodrigo Pazinato)Comissário do Paraguai garante que o bom relacionamento entre os dois países garante sucesso no policiamento fronteiriço. (Fotos:Rodrigo Pazinato)

A palavra “fronteira” quando pronunciada vem, muitas vezes, contaminada pela lembrança de insegurança e criminalidade. Mas conhecer a realidade dessas cidades fronteiriças pode mudar alguns conceitos em relação a esses sinônimos. Lugares descritos como perigosos podem servir, na verdade, apenas como caminho para que o crime aconteça longe dali.

Veja Mais
Escritor douradense lança na terça livro sobre 40 anos de carreira
Comércio de Ponta Porã funcionará em horário especial neste fim de ano

Em Paranhos, a 469 km de Campo Grande, há quase dois meses não é registrado um roubo, furto ou furto de veículos, como confirma o escrivão Roni Bruno, há sete anos na cidade. “É muito raro esses crimes por aqui", afirma.

Ao lado, na cidade paraguaia Ypejhú, que fica a 350 km de Assunção, a capital do país, o relato também é de que as coisas não são como se enxerga do lado de cá. O chefe da comissaria (polícia paraguaia) Eládio Ibarra, 48 anos, garante que há três meses nenhum boletim de ocorrência de roubos ou furtos foi registrado.

Segundo o comissário, a atuação na fronteira é binacional e o bom relacionamento com a polícia brasileira é o que garante um bom resultado. “A fiscalização é feita durante 24 horas, em vários locais da fronteira, mas o trabalho junto com a polícia brasileira ajuda a resolver vários crimes”.

O escrivão Roni Bruno confirma a boa relação entre os dois países e explica que em casos isolados realiza inspeções que vão ajudar a polícia paraguaia. "O trabalho de polícia é desenvolvido e quando um país precisa do outro para solucionar alguns casos, essa ajuda exista".

Escrivão Roni diz que a cidade é tranquila, diferente do que muitos possam pensar. Escrivão Roni diz que a cidade é tranquila, diferente do que muitos possam pensar.

Sobre a entrada de drogas, produtos e mercadorias ilegais, além de armas, o comissário salienta: “A fronteira é grande, não tenho como evitar a entrada em alguns pontos. Não dá para assegurar o que se passa em outros locais, mas a fiscalização é feita durante todo tempo”.

Há 25 anos na polícia, Ibarra foi um dos responsáveis pela segurança do papa João Paulo II, em 1988, quando o sumo pontífice visitou o país. O desempenho policial está estampado no porta-retrato que ele faz questão de manter em sua mesa. “Eu sou católico, creio na igreja”, disse, lembrando que não consegue cumprir todos os mandamentos.

Assim como no Brasil, a polícia paraguaia utiliza um sistema de identificação de pessoas, como o Sigo (Sistema Integrado de Gestão Operacional) desenvolvido pelo Brasil.

Diante dos conflitos de terra que acontecem constantemente, comissário e escrivão ressaltam que a polícia só intervem quando são casos mais específicos, como homicídio. "Quando existem situações como briga interna e não tem Boletim de Ocorrência a gente não intervem", destaca Roni Bruno.

Ao todo, são nove aldeias na região, cinco em Paranhos e quatro em Ypejhú.

O comissário afirma que apenas a capacitação de homens deveria ser maior. Ibarra diz que são três viaturas para fiscalizar a cidade de quase 12 mil habitantes, para ele um bom número. Sobre o efetivo, ele não revela por uma questão de segurança.

Fernandez é dono de um posto de gasolina localizado exatamente na divisa internacional.Fernandez é dono de um posto de gasolina localizado exatamente na divisa internacional.

Do lado brasileiro é fácil descobrir as dificuldades, basta observar a mínima quantidade de homens que trabalha na delegacia. Dois, apenas dois. A situação é comum em várias cidades do Estado, como reclamam os servidores. Ausência de um delegado em Paranhos, como em muitas outras cidades, só pulveriza ainda mais os problemas, prejudicando o desempenho da policia, mesmo com a cidade tranquila.

A delegada Marina Lemos Conceição é lotada em Coronel Sapucaia, a quase 70 km de Paranhos, e só vai até a fronteira quando ocorre algum fato mais grave. Porém, como relatam frequentemente os servidores, esse planejamento atrapalha o desempenho da Polícia Civil.

Morar na fronteira: Exatamente na divisa internacional entre Paraguai e Brasil, Emiliano Fernandez, 64 anos, trabalha há anos. Dono de um posto de gasolina na avenida Ayrton Senna, ele destaca com orgulho a tranquilidade do local. Pai de seis filhos, Fernandez lembra que cuidou da família na cidade de Ypejhú e não se arrepende disso.

"Se você não fizer nada de errado, não tem problema nenhum morar na fronteira. Aqui é muito bom", disse misturando o guarani e o espanhol.

Escritor douradense lança na terça livro sobre 40 anos de carreira
Será lançado na próxima terça-feira (6) em Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - o livro "A Felicidade pela Literatura: Ensaio entr...
Comércio de Ponta Porã funcionará em horário especial neste fim de ano
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
MPF entra com ação para garantir pesca e extração à comunidade ribeirinha
Foi ajuizada ação civil pública pelo MPF (Ministério Público Federal) para garantir o direito a pesca de subsistência e extrativismo sustentável da c...



E o roubo de gado na região do nabilieque, como fica nesta situação, concordo que os ladrões são brasileiros, mas isto tem que acabar. Se não teria sentido a guarda nacional estar correndo de carros novos para baixo e para cima, sem menhum resultado efetivo de suas ações, gastando os parcos dinheiro dos cidadões de bem.
 
diogenes domingues em 20/09/2012 11:58:48
Estou na Polícia Civil de Mato Grosso do Sul a 22 anos, desse total 18 anos lotados em várias delegacias da região da fronteira . Conheço todos os caminhos que levam a fronteira, e tudo o que lá se passa e posso falar uma coisa com certeza, o problema do Brasil e do Paraguai, sãos os BRASILEIROS que para fugir da Polícia e Justiça, homiziam-se no país vizinho, ou se juntam a criminosos de lá.
 
Claudineis Galinari em 20/09/2012 11:31:56
A Fronteira do BR com PY, Ha.. então, não é bicho de sete cabeças..!, na realidade, é um Bicho-de-Quatorze-Cabeças..!!!!!!!! .
É um crime esses policiais darem um veredicto desse.
 
Everaldo Assis em 20/09/2012 10:37:58
podemos ter momentos de tranquilidade, mas nao é a realidade que vemos nos noticiarios, infelizmente a fronteira é debilitada quanto a segurança e deveria ter uma atenção maior sim, das autoridades. operações temporárias não são o suficiente para garantir essa segurança. ja trabalhei nesta regiao e o acesso para o país vizinho é muito simples e sem fiscalização.
 
marcel dos santos nobre em 19/09/2012 12:38:31
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions