A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

28/04/2011 16:35

Funai ainda não sabe como vai cumprir decisão sobre policiamento em aldeias

Marta Ferreira
Perito fotografa ossada encontrada em aldeia Bororó.Perito fotografa ossada encontrada em aldeia Bororó.

Mais de 20 dias depois da decisão da Justiça Federal de Dourados que dá prazo de 30 dias para que a União e a Funai (Fundação Nacional do Índio) garanta segurança nas aldeias Bororó e Jaguapiru, em Dourados, o cumprimento da ordem judicial ainda está indefinido.

Na aldeia, vivem 12 mil índios, em situação de violência extrema, com uma taxa de homícidios 800% acima da nacional, segundo destaca o MPF (Ministério Público Federal).

No dia 7 deste mês, uma decisão liminar, em ação proposta pelo MPF e Observatório dos Direitos Indígenas, deve ser disponibilizado um efetivo mínimo de 12 policiais, pela Polícia Federal ou pela Sejusp (Secretaria de Justiça e Segurança Pública), por meio de convênio. Se a determinação não for cumprida, a multa prevista é de mil reais por dia.

A União e a Funai já foram notificadas da decisão e o prazo está correndo. Segundo a coordenadora da Funai em Dourados, Maria Aparecida Mendes de Oliveira, a direção nacional da entidade está cuidando do assunto, mas ainda não há definição.

Segundo ela, há dois projetos que tratam da segurança nas duas aldeias em elaboração, envolvendo tanto a Polícia Federal quanto a Polícia Militar.

A decisão O juiz Moisés Anderson fez um longo despacho para acatar o pedido urgente de segurança nas aldeias de Dourados. Ele cita que a discussão é antiga e que já houve sinalização, em 2008, para que fosse feito um convênio prevendo que a segurança fosse feita por órgãos de segurança estaduais.

O magistrado também comenta os casos de violência na região, lembrando que alguns já viram motivo de manchetes nacionais. Por isso, conclui que a concessão da liminar “faz-se necessária ante a reiterada ocorrência de crimes de homicídio, em curto espaço de tempo, na Reserva Indígena de Dourados.

Alternativas- Para a juízaa, há várias formas de assegurar um efetivo de segurança nas duas aldeias, para “exercitar a proteção aos habitantes das aldeias Bororó e Jaguapirú”.

O juiz expressa ainda que “a intervenção em menor intensidade do Estado (em áreas indígenas), não se confunde com sua ausência” cabendo a ele proporcionar existência digna aos índios. A lei prevê a possibilidade da celebração de convênios com o governo estadual visando dar segurança aos indígenas

A liminar cita que há em cidades com número de habitantes similar às aldeias Bororó e Jaguapirú, existe aparato policial. “Nada mais justo e isonômico que os índios disponham de acesso à segurança no local segundo este quantitativo.”

“A segurança pública busca resguardar a paz social e a serenidade do indivíduo, razão pela qual deve ser entendida como componente do núcleo básico do mínimo existencial, não cabendo a alegação de reserva do possível pelo Estado para eventual não atendimento”, completa o despacho.

Dois homens são presos por suspeita de estupro de adolescentes
Dois homens foram presos por estupro de vulnerável em Laguna Carapã, 287 km de Campo Grande. Eles têm 28 e 24 anos e teriam tido relação sexual com a...
Dupla armada invade madeireira e rouba dinheiro do pagamento de funcionários
Dois homens armados invadiram uma madeireira e roubaram R$ 15 mil por volta das 15h30 de ontem (9) no Distrito Industrial de Dourados - distante 233 ...
Homem tem carro roubado por assaltantes armados na MS- 289
Assaltantes armados renderam o condutor de um veículo modelo Vectra e roubaram o carro por volta das 23h desta sexta-feira (9) na MS-289, em Amambai ...



O que deve ser mudada é a lei,os índios de nosso estado são quase todos alfabetizados e conhecedores das leis,então pra que impedir as policias civil e militar de desempenhar suas funções dentro de aldeias,sabemos que a policia federal nunca teve efetivo o suficiente para desenvolver o trabalho atribuído à eles. Os índios dentro de suas aldeias se acham intocáveis ,por isso está essa bagunça toda.Abram as portas das aldeias e deixem as policias trabalharem,tenho certeza que os honestos e trabalhadores irão agradecer , quanto aos marginais e bandidos o rigor da lei.
 
nilson franco de oliveira em 29/04/2011 09:26:55
Há muito tempo os índios de bem esperam em vão a solução da pacificação nas Aldeias Bororo e Jaguapiru; mas por se tratar de Reserva Indígena Federal os índios do mal procedimento deitavam e rolavam entre a fronteira da liberdade ao extremo da libertinagem. Quem sabe agora as coisas mudem. Esperamos que o discurso saia do papel e se torne prática comum nas respetivas Aldeias.
 
Antonio W. Araujo em 28/04/2011 05:12:17
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions