A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

05/05/2015 12:51

Governador diz que "não da mais pra esperar" e estuda reativação de porto

Caroline Maldonado e Leonardo Rocha
Reinaldo comentou sobre a situação do porto nesta manhã. (Foto: Marcelo Calazans)Reinaldo comentou sobre a situação do porto nesta manhã. (Foto: Marcelo Calazans)

O Governo do Estado realiza estudos para definir como será feira a reativação do porto de Porto Murtinho - a 431 quilômetros de Campo Grande. Com suas atividades paradas desde 2004, devido a ação civil pública que tramita na Justiça, questionando concessões de licitação, o porto é uma alternativa eficaz para escoar a produção estadual.

Veja Mais
"Porto pode voltar a operar amanhã", diz empresário ao governador
Com capacidade para 500 mil t, governo estuda reativar porto de MS

O governador Reinado Azambuja (PSDB) disse hoje (5), que “o Estado precisa se manifestar” quanto a situação. "O porto de Porto Murtinho passa por uma demanda na Justiça há anos. O Governo está fazendo um estudo agora para uma tomada de decisão sobre essa questão, já que não dá para aguardar mais”, comentou.

Reinaldo falou sobre o assunto durante reunião com o embaixador do Paraguai, Manuel Cáceres Cardozo. O encontro que ocorreu na Governadoria, nesta manhã. Ele disse ainda que o porto de Porto Murtinho, assim como o de Concepción são fundamentais para o setor produtivo de Mato Grosso do Sul e do Paraguai.

Atualmente, o porto tem 20 funcionários, que trabalham apenas para manter o local aberto, segundo o grupo responsável pela zona portuária do município. Dos 100 hectares de área total, 4% pertence ao Estado e o restante  ao grupo presidido por Michel Chaim. Em entrevista, em janeiro desse ano, Chaim disse que o porto está aparelhado para o serviço e poderia voltar a operar a qualquer momento.

O porto tem capacidade para 500 mil toneladas/ano de grãos e nos primeiros cinco anos movimentou 400 mil toneladas de produtos diversos, como cimento, açúcar, soja e fertilizantes. A unidade também está apta para o transporte de gado em pé, conforme licenciamento do Ibama ( Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis), de 2009.

Prejuízo - Uma carga de uma tonelada custa R$ 200 para ser levada de Porto Murtinho até o porto de Paranaguá. De lá, a carga ainda é encaminhada para a Argentina. Conforme Chaim, se o porto estivesse em uso, o preço ao investidor seria de R$ 100 para levar uma tonelada, que iria direto para a Argentina ou para o Uruguai. Sem precisar passar por Paranaguá, a carga aumentaria a margem de lucro do empresário local.

Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento
A esposa de um detento de Itaquiraí, distante 410 km de Campo Grande, foi presa na tarde de ontem (7) tentando entregar um pão recheado com maconha p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions