A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

22/11/2012 18:49

Governo vai recorrer da decisão que obriga policiamento em aldeias

Nícholas Vasconcelos e Luciana Brazil
Governador afirmou que Estado nunca deixou de atender as aldeias, mas que precisa de apoio. (Foto: Simão Nogueira)Governador afirmou que Estado nunca deixou de atender as aldeias, mas que precisa de apoio. (Foto: Simão Nogueira)

O Governo do Estado informou nesta quinta-feira (22) que vai recorrer da liminar da Justiça Federal que determinou o retorno do policiamento nas aldeias de Dourados e região. Ontem, a Justiça atendeu um pedido do MPF (Ministério Público Federal) e determinou o retorno do atendimento emergencial das Policias Civil e Militar nas aldeias de Dourados e de outros 17 municípios.

Veja Mais
Justiça manda Governo do Estado voltar a atender índios
Traficante é presa tentando levar maconha para 'boca de fumo' no Amapá

A PGE (Procuradoria Geral do Estado) afirma que o Estado não o responsável por esse tipo de atendimento ligado a segurança pública das comunidades indígenas, já que o serviço deve ser prestado pela União, através da Polícia Federal e da Funai (Fundação Nacional do Índio). A Procuradoria afirma que o Estado é apenas um colaborador da União, sem assumir a responsabilidade pelo atendimento emergencial nas comunidades indígenas dentro do convênio firmado com o Governo Federal.

A nota afirma que as policias estaduais atendem as aldeias dentro das possibilidades de estrutura que dispõem para atender Dourados e região, da mesma forma que atende a população que vive fora das aldeias.

O governo cita ainda duas decisões da Justiça Federal sobre o policiamento em reservas indígenas. O primeiro é na reserva Raposa Serra do Sol, em Roraima e outra decisão em Eunápolis, na Bahia.

Também é questionada pela PGE uma ação anterior do MPF que pedi a presença de 12 policiais federais nas aldeias de Dourados.

Questionado sobre a liminar o governador André Puccinelli (PMDB) afirmou que nunca deixou de atender as ocorrências nas aldeias e que foi proposto a Polícia Comunitária com supervisão da PF (Polícia Federal) para as reservas, mas que depende de viaturas e efetivo. 

O governador afirmou que forneceria as viaturas e os homens, mas que precisaria de ajuda de custeio por parte do Ministério da Justiça e do convênio. Ele destacou ainda que o Estado precisa que o convênio seja efetivado, para que não seja acusado de incompetência constitucional, ou seja, assumir funções da União.

Puccinelli também questionou a falta de auxilio do Governo Federal para a manutenção dos presos acusados de crimes federais e que estão nos presídios estaduais. “eles nos exploram com 1,4 mil presos federais sendo que eles deveriam construir presídios federais, 3,5 mil presos a serem custeados federais, agora vamos ter que sustentar a União”, comentou.

O caso - A liminar da Justiça Federal suspendeu a orientação da Procuradoria-Geral do Estado, que determinava que os órgãos policiais não realizassem atendimento às comunidades indígenas, fosse ele emergencial ou preventivo, com a alegação de se tratar de competência exclusiva da Polícia Federal.

De acordo com a Justiça, “o fato da terra indígena ser bem da União não torna os índios propriedade ou interesse desta, sujeitos, portanto, à competência federal”. A tese aponta que os crimes contra a vida, patrimônio, honra e integridade praticados pelos índios são julgados pela Justiça Estadual e não Federal.

“O fato de serem índios não lhes atribui qualquer diferenciação na hora de serem julgados. Desse modo, o atendimento emergencial aos indígenas não deve ser tido como uma exceção à regra, mas, também para eles, deve incidir a mesma regra que recai sobre os demais cidadãos”, destacou a ação do MPF.

A decisão cita o acordo de cooperação técnica firmado entre a União e o Governo do Estado afirmando que poderia solucionar a questão com a adoção do policiamento comunitário nas aldeias. “No entanto, basta uma rápida análise do plano elaborado pelo réu para perceber que o impasse está longe de ser resolvido. (O governo estadual fez) exigências não constantes do acordo original, principalmente de cunho financeiro, o que deve atrasar sua conclusão e implantação. Como já exposto, o indígena não pode esperar esse desfecho”.

Marido agride mulher com garrafada e se tranca em casa com medo da polícia
Mulher de 42 anos foi agredida pelo marido com uma garrafada no sábado (3), após ser vista conversando com as amigas em sua casa em Dourados, distant...
Domingo é de redação no segundo dia de prova do Enem em Paranaíba
Candidatos do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em Paranaíba, distante 422 quilômetros de Campo Grande, fazem neste domingo (4) as provas de reda...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions