A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

19/05/2015 15:55

Grávida há cinco meses, menina de 10 anos diz que filho é do próprio pai

Helio de Freitas, de Dourados

Uma menina de 10 anos de idade, moradora em Dourados, a 233 km de Campo Grande, está no quinto mês de gestação e o principal suspeito de ter estuprado a criança é o próprio pai dela. A família indígena mora na aldeia Bororó e a mãe da menina diz que não sabia do estupro e nem desconfiava que a filha estivesse grávida.

Veja Mais
Adolescente vítima de estupro perdeu quatro bolsas de sangue
Menina que escapou de estupro tem insônia e não consegue ir à escola

O caso foi descoberto na sexta-feira, dia 15, quando a criança foi levada pela mãe a um posto de saúde da aldeia Bororó para tomar vacina contra a gripe. Os índios estão entre os grupos considerados prioritários pelo Ministério da Saúde e podem ser vacinados na campanha nacional contra a influenza.

Os profissionais de enfermagem desconfiaram do tamanho da barriga da menina e a levaram para o médico do próprio posto de saúde. O exame preliminar confirmou a gestação e os funcionários da unidade acionaram o Conselho Tutelar.

Comoção e revolta – “Quando chegamos ao local a criança contou que tinha sido estuprada pelo pai. Ela diz que o estupro ocorreu só uma vez, mas a menina ficou grávida. É uma situação que nos causa sentimento de comoção e revolta ao mesmo tempo, por se tratar de uma criança”, afirmou ao Campo Grande News o conselheiro Nelson Amaral de Assunção, que fez parte da equipe que foi à aldeia para registrar o caso.

A criança e a mãe foram levadas pelos conselheiros até a sede do órgão em Dourados, onde a menina contou a história. Ela disse que o estrupo teria ocorrido numa determinada tarde quando mãe saiu e a deixou sozinha com o pai. A menina disse que o pai não bebe e não é violento.

Após o relato aos conselheiros, a menina foi levada para a Delegacia de Atendimento à Mulher, onde foi feito um boletim de ocorrência. Em seguida ela foi levada ao médico legista da Polícia Civil para fazer o exame de conjunção carnal, procedimento de rotina nesses casos.

Na casa da avó – Como o pai continuava em casa, a criança foi levada pelo Conselho Tutelar para a casa da avó, também na reserva indígena de Dourados. Hoje uma equipe de conselheiros voltou ao local para saber se a menina continuava lá ou se tinha retornado para a casa dos pais. Mas ela continua com a avó.

O pai, acusado de estuprar a filha, teria fugido depois que ficou sabendo que a criança está grávida. O Campo Grande News procurou a Delegacia da Mulher para saber se houve pedido de prisão do suspeito, mas a delegada titular, Rozeli Dolor Galego, não foi encontrada porque teria ido ao Fórum.

Querem a criança – Nelson Assunção informou que o caso também foi comunicado à Promotoria de Justiça e surgiu a indagação se poderia ser feito um pedido à Justiça para interrupção da gestação. Entretanto, tanto a menina quanto a mãe dela não aceitam falar em aborto.

“Elas falam que querem a criança. A mãe disse que o pai vai sair de casa, preso ou não, e que ela vai ficar com a filha e o neto”, contou o conselheiro. A menina já está sendo atendida pelo médico da aldeia e também será acompanhada pela Sesai (Secretaria Especial de Saúde Indígena).




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions