A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 21 de Janeiro de 2017

29/08/2014 16:45

Herdeiros de fazendeiro estudam ir à justiça para evitar nova invasão de área

Marta Ferreira
Inventariantes avaliam prejuízos em fazenda, após invasão ocorrida ontem. (Foto: Região News)Inventariantes avaliam prejuízos em fazenda, após invasão ocorrida ontem. (Foto: Região News)

Os inventariantes da Fazenda Água Clara, em Sidrolândia, município a 71 quilômetros de Campo Grande, estão avaliando os prejuízos da invasão ocorrida ontem, por índios Terena, motivada por uma confusão envolvendo a prisão de Arcênio Duarte, que é indígena, por porte ilegal de arma. O advogado que representa o espólio de Afrânio Pereira Martins, Jully Heider da Cunha Souza, informou ao Campo Grande News que a família estuda, ainda, se vai tomar alguma medida preventiva para evitar uma nova ocupação da fazenda.

Segundo, ele, havia no local 900 cabeças de gado e está sendo feita uma nova conferência. Os índios, cerca de 200, atearam fogo às três casas que existem no local. A fazenda, de 522 hectares, é uma das 17 propriedades reivindicadas como parte da Reserva Buriti, que é foco de conflito no Estado, onde já houve, inclusive, morte durante uma desocupação, em maio do ano passado.

Diante da situação tensa da região, o temor é de novas ocupações. O advogado disse que, ontem, recebeu do representante da Funai (Fundação Nacional do Índio) a garantia de que os índios não retornarão e continuarão na Fazenda Cambará, onde estão há um ano.

Problema de família - A confusão começou por um motivo que não tem relação com a disputa por terras entre índios e fazendeiros e sim por uma discórdia entre os herdeiros do dono da fazenda, responsáveis pelo inventário. Durante o cumprimento de uma orgem judicial para despejar o antigo inventariante, que havia sido substituído, o índio foi encontrado no local e estava armado.

O indígena acabou sendo preso por porte ilegal de arma por policiais militares à paisana. Os índios deduziram que se tratava de pistoleiros e que Arcênio estava sendo sequestrado, seguindo-se a invasão e o incêndio. Também foram presos cinco funcionários da fazenda. Hoje, a Polícia Civil estava tomando depoimentos sobre o caso.

Tensão - Mesmo tento início de uma confusão não relacionada com o conflito por terras, o episódio botou mais lenha numa fogueira que queima há bastante tempo. Dono de uma das propriedades em disputa, o ex-secretário de Fazenda e ex-deputado federal Ricardo Bacha, disse que na região, “uma centelha” é suficiente para um incêndio.
Na visão dele, tanto índios quanto fazendeiros estão sendo enganados pelo Governo Federal, que “há 150” dias, prometeu pagar pelas terras para assegurar a criação da Reserva Indígena, mas até hoje não chegou a um consenso sobre os valores a serem pagos pelos 15 mil hectares.

A Água Clara era uma das poucas fazendas que os índios ainda não tinham entrado, aguardando o desfecho do processo de compra de todas as propriedades reivindicadas como terra indígena. O Campo Grande News tentou, mas não conseguiu contato, com representantes da comunidade indígena.

Quadrilha é presa acusada de roubo a joalheria; funcionária é suspeita
Uma quadrilha formada por 10 pessoas foi desarticulada pela Polícia Civil de Itaporã, distante 227 km de Campo Grande, após investigações de roubo a ...
Detentos são flagrados com celular cheio de vídeos de sexo com criança
Agentes penitenciários encontraram um celular contendo cenas de sexo com uma criança, na cela onde estão presos Luis Felipe Barbosa dos Santos, 19 an...



DESgoverno....abuso...descaso com o trabalho de tantos produtores rurais...queimar e quebrar é fácil...e quem irá construir de novo tudo o que já foi destruído? Quem será responsabilizado pelos estragos materiais, morais e afetivos? A quem mais devemos recorrer?
 
Mônica A C C da Silva em 29/08/2014 17:13:47
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions