A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

23/01/2012 17:49

Homens mortos em Paranhos foram baleados e depois carbonizados

Nadyenka Castro

De acordo com a Polícia Civil, laudo confirma tiros na cabeça das três vítimas. Suspeita é de que o crime esteja relacionado com o tráfico de cocaína

Caminhonete foi incendiada com mortos na carroceria. (Foto: Paranhos News)Caminhonete foi incendiada com mortos na carroceria. (Foto: Paranhos News)

Os três homens encontrados mortos na noite de terça-feira (17) em Paranhos, a 469 quilômetros de Campo Grande, na fronteira com o Paraguai, foram baleados na cabeça e depois carbonizados. A suspeita é de que o crime esteja relacionado com o tráfico de drogas.

De acordo com o delegado Marcelo Silva Alves Branco, responsável pelas investigações, Jucimar Gomes Favoretti, 44 anos, Alexandre Emílio de Almeida, 48 anos, e Peterson Barros da Silva, morreram devido aos tiros.

Já com os três mortos, a caminhonete Hilux, de placas de São Paulo, foi abandonada na região conhecida como Português, onde foi incendiada com os corpos na carroceria. O veículo estava parado no sentido Coronel Sapucaia/ Paranhos e no local, em direção oposta, havia marcas de pneus de caminhonete.

Na Hilux onde os corpos estavam foram encontradas marcas de tiros e a Polícia suspeita que os autores incendiaram o veículo para não deixar provas do crime que levassem a eles.

Jucimar, Alexandre e Peterson saíram de Eldorado junto com Robson de Souza, 35 anos, dono do automóvel, no domingo (15). Desde então, Robson está desaparecido.

Tráfico - Os familiares dos mortos disseram inicialmente à Polícia que eles tinham ido a Paranhos para comprar terras.

No entanto, de acordo com o delegado responsável pelo caso, depoimentos posteriores revelam que não há nenhum indicio de que Jucimar, Alexandre, Peterson e Robson tivessem realmente intenção de negociar propriedades rurais.

Diante dos relatos dos familiares, pelo fato dos quatro terem passagens pela Polícia, de como morreram e do local em que foram encontrados - na MS-295 a 55 quilômetros da área urbana de Paranhos, 20 metros distante do Paraguai e três quilômetros de Coronel Sapucaia, - a principal suspeita é de que o crime tenha relação com o tráfico de drogas, mais especificamente de cocaína. “Todos os indícios levam ao acerto de contas em relação a drogas, no caso, de cocaína”, fala o delegado.

Além disso, Robson e Peterson são tidos como lideranças do contrabando de cigarros em Eldorado, município que também fica na fronteira com o Paraguai. Já Alexandre é do Rio de Janeiro e Jucimar do Espírito Santo. Os corpos foram transladados para as cidades natais ainda na semana passada.

Investigação - Segundo o delegado Marcelo Branco, a ficha criminal de todos será analisada. No caso dos dois que não são de Mato Grosso do Sul, será pedido relatório completo às polícias dos respectivos estados.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions