A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

26/10/2013 09:57

Índios invadem mais 12 fazendas e criam novo foco de tensão no Estado

Filipe Prado e Zana Zaidan

Após ocupar duas propriedades rurais na sexta-feira (25), índios invadiram, na noite de ontem para hoje, mais 12 áreas em Japorã. Produtores rurais querem retirar o gado das áreas ocupadas e um novo foco de tensão foi criado em Mato Grosso do Sul. 

Veja Mais
Indígenas invadem mais duas propriedades de Mato Grosso do Sul
Pistoleiro executa morador em acerto de tráfico de drogas na fronteira

Os indígenas da etnia Guarani-Kaiowa reivindicam há 10 anos a demarcação da área de 9,460 mil hectares, que fica próximos ao Rio Iguatemi, em Japorã. A invasão das propriedades começou há bastante tempo e até já houve conflito entre produtores e indígenas há 10 anos. 

Segundo o presidente do Sindicato Rural de Iguatemi, Hilário Parise, os produtores rurais querem a reintegração de posse das propriedades, mas eles tinham um acordo com a Funai, dizendo que não podiam invadir. “Eles querem que o Governo indenize e entregue as propriedades para eles. Mas nós tínhamos um acordo, do Governo com a Funai, assinado há cerca de seis meses, dizendo que não poderiam invadir e eles descumpriram isso”, reclamou.

Ele também comenta que muitos proprietários tiveram que sair das fazendas, por conta das invasões. “Muitos fazendeiros saíram da fazenda, somente três fazendeiros continuam nas suas propriedades”.

Luiz Carlos Tormena é proprietário de uma das fazendas invadidas, e ele teve que sair as pressas dela. “Eles chegaram empunhando flechas e disseram que tínhamos 20 minutos para sair, peguei o carro e vim embora. Mas eu ainda consegui autorização para voltar e cuidar do gado”, explica.

O presidente do sindicato relata que as invasões estão trazendo prejuízos para os produtores rurais e também para a cidade. “Está tudo desvalorizado. Não há compra e venda de propriedades, as pessoas não investem em agricultura, e até as empresas não querem investir na cidade”, disse. 

Segundo Hilário, os índios não estão à procura somente de terra, eles querem outras coisas, porém as autoridades insistem em somente dar propriedades. “A Funai já tem projetos para demarcar várias cidades de Mato Grosso do Sul, mas não é só terra que os indígenas querem, eles querem outras coisas. Eles não veem isso”.

A Polícia Federal de Naviraí foi até as propriedades para evitar qualquer tipo de violência que venha a ocorrer. Eles irão permanecer ali por cerca de 10 dias.

Indígenas invadem mais duas propriedades de Mato Grosso do Sul
Duas propriedades privadas na zona rural do município de Japorã foram invadidas por indígenas da etnia Guarani-Kaiowá nesta semana. De acordo com os ...
Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS
A boliviana Celia Castedo Monasterio, indiciada pelo Ministério Público de seu país por ter autorizado o plano de voo da Chapecoense, com saída em Sa...



Não sei quem são os legítimos proprietários das áreas, ou se a situação dos proprietários tem amparo legal, etc. Conheço essa região da aldeia de Porto Lindo desde 1.992 e só sei o seguinte: há vinte anos havia ALGUNS indígenas que não falavam português, apenas espanhol e guarani; hoje há MUITOS indígenas na região que SÓ falam espanhol e guarani. Seria de esperar que indígenas BRASILEIROS falassem português e guarani. Outra coisa: sempre que há distribuição de cestas básicas e outros benefícios, os acessos ao país vizinho, ficam tomados de indígenas, principalmente a chamada Linha Internacional, e na região há vários barracos que só estão ocupados nesses dias. Não seria o caso de investigar, de onde vem esse pessoal?
 
Adriano Roberto dos Santos em 27/10/2013 13:25:38
Depois que os indios desmoralizaram a decadente justiça com indio rasgando ordem judicial agora se tiverem um minimo de esperteza vão invadir quando e onde quiserem, sabedores que a justiça não existe e os demagogos vão sempre a favor dos indigenas, chegando ao cumulo de a tal presidente ordenar que não se expeça nenhuma ordem de desapropriação em favor dos fazendeiros. Com isso se fosse dos sem terra aproveitariam o oba oba e invadir tambem pois a bagunça esta liberada, quem perde é o País com os indios continuando na miseria, vivendo de esmolas não sei para que querem imensidão de terras já que nada produzem. Mas, aproveitem o caos, tomem de volta o país, vamos cada qual voltar aos paises de seus ancestrais, e a preguiça de mais de 500 anos atras vai imperar.
 
Horlando P. de Mattos em 26/10/2013 22:49:03
Infelizmente, quando alguém do JUDICIÁRIO, for surpreendido a sair de casa as pressas com invasões indígenas, vão acordar para grave situação que estamos passando há mais de 10 anos .Se governo e a funai tivesse sido obrigada a pagar uma multa diaria para cada um dos proprietários, com certeza isso não estaria acontecendo.PELO AMOR DE DEUS JUSTIÇA, acorde não feche os olhos porque o pior cego é aquele que não quer enxergar,nos ajude a viver um pouco mais com dignidade, minha mãe infelizmente se foi no dia 31 de dezembro de 2013, vovó foi antes cansou de esperar, com certeza indignada pelo descaso de quem deveria cumprir a lei.Também lei pra quem?Se não querem cumpri-lá, fiquem iguais a nos, morando de favor um dia aqui outro ali,roçando pasto meu pai com 87 anos faz isso para ter um teto.
 
sônia maria ribeiro em 26/10/2013 18:23:45
Agora os índios ficam dentro da fazenda,depredam tudo e dono fica do lado de fora.
Os indios se sentem acima da lei,tem a certeza da impunidade,são os black bloks guaranis,bandidos travestidos de índios.São 77 fazendas invadidas no estado,ninguém aguenta mais.....a tragédia está por vir....
 
francisco ricardo tolazzi em 26/10/2013 17:23:03
O Governo vai entregando as melhores terras para os índios que nada produzem, e acaba desvalorizando as terras próximas às aldeias, visto que vivem em constante tensão com medo de invasões. A inversão de valores é tremenda. Os índios não precisam de terras, precisam de escolas, saúde e profissionalização. Mantê-los em um pedaço de terra, é deixá-los à margem da sociedade.
 
Valter Oliveira em 26/10/2013 13:00:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions