A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

01/06/2015 19:45

Índios voltam a protestar contra fazendeiros e pedem intervenção da prefeitura

Liana Feitosa e Viviane Oliveira
Índios pedem por justiça durante caminhada nas ruas de Miranda. (Foto: Direto das Ruas) Índios pedem por justiça durante caminhada nas ruas de Miranda. (Foto: Direto das Ruas)

Outras aldeias indígenas se uniram nesta segunda-feira (1) à Comunidade Mãe Terra para protestar contra os irmãos Amaral, pedindo à polícia para que não sejam soltos. Os irmãos são suspeitos de disparar contra o terena Jolinel Leôncio, 29 anos. O caso aconteceu em Miranda, a 201 km de Campo Grande, na última sexta-feira (29).

Veja Mais
Após pressão de comunidade, polícia prende suspeitos de atirar em indígena
Índio é baleado e comunidade protesta em frente à delegacia

José do Amaral Goes, 48 anos, e João Carlos do Amaral Goes, 47, são fazendeiros na região e donos do supermercado Amaral. Há dois anos, a fazenda Charqueada, dos irmãos, foi ocupada por índios.

Primeiro protesto - Indignados com o crime, índios foram protestar em frente à delegacia da cidade, já que acreditavam que o autor do disparo estaria no local. Mais tarde, a mobilização se concentrou em frente ao supermercado da família Amaral.

No sábado (30), o protesto da comunidade indígena Mãe Terra surtiu efeito e os irmãos foram detidos, já que os índios ameaçavam invadir a delegacia.

Prefeitura - Hoje, os protestos se concentraram em frente à prefeitura de Miranda, já que a administração municipal compra alimentos para a merenda escolar da rede municipal de ensino no supermercado dos suspeitos.

"Eles pedem justiça e que a prefeitura não compre mais nesse mercado para não financiar os fazendeiros a comprarem armas para matar índios", disse um relato ouvido por um estudante universitário de 27 anos, que não vamos identificar, não é indígena, mas acompanhou as manifestações.

Para o protesto dessa segunda-feira os grupos indígenas se concentraram em frente ao Centro de Referência Indígena da cidade. Acompanhados de carro de som e usando assessórios tradicionalmente indígenas, os manifestantes caminharam até à prefeitura carregando faixas.

Não se sabe o estado de saúde de Jolinel Leôncio, baleado na sexta-feira. As informações passadas pela PM são de que ele foi transferido para Campo Grande.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions