A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

05/04/2015 11:12

Instituto Federal pagou R$ 8,1 milhões por prédio sem portas em Coxim

Aline dos Santos
Sede do órgão em Coxim: termos aditivos chegaram a 21% (Foto: Coxim Agora/Arquivo)Sede do órgão em Coxim: termos aditivos chegaram a 21% (Foto: Coxim Agora/Arquivo)

Entregue em abril de 2014, três anos depois do previsto no contrato inicial de vigência, o prédio do IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul) ainda está inconcluso em Coxim, a 260 km de Campo Grande. No imóvel, com custo de R$ 8,1 milhões, há laboratórios sem porta.

Veja Mais
IFMS abre seleção para sete vagas de professor substituto em quatro áreas
Unidade do IFMS para 1.200 alunos deve ser inaugurada em maio

Conforme verificado pela reportagem, as salas foram deixadas abertas na parte frontal para a entrada de grandes equipamentos, que não conseguiriam passar pelas portas. Agora, ainda tem laboratório do setor de alimentos sem parede na frente e portas. Também será preciso fazer adaptações elétricas para funcionamento de equipamentos.

Na instituição, os profissionais contam que os alunos ficaram quase três anos em uma sede provisória, a escola estadual Padre Nunes. Primeiro, ocuparam um bloco do prédio. Depois, já estavam em quase todo o imóvel.

Conforme a empresa Nova Era Engenharia, responsável pela obra, quando houve a entrega do prédio, no ano passado, faltavam instalação de portas e parte hidráulica dentro de banheiros. “Era para colocar 50 portas no banheiro, mas teve uma festa, uma organização dentro do instituto e as pessoas apoiaram os pé, danificaram as portas”, afirma o advogado Francis Thomaz Garcia Mendes.

A reportagem questionou a assessoria de imprensa do IFMS sobre os laboratórios. A reposta é que o campus está concluído. “Serão feitas apenas obras de adequações estruturais e elétricas para o recebimento de materiais de alta tecnologia”, informa. O Campo Grande News não conseguiu contato com o diretor-geral da unidade em Coxim.

Mil dias – Com valor inicial de R$ 6.729,763,28, o contrato 19/2009, firmado entre o IFMS e a Projetando Arquitetura e Construções (atual Nova Era), previa vigência de 475 dias, portanto, até 15 de março de 2011. Ao término, foram 16 termos aditivos.

No último, o prazo de vigência do contrato já contabilizava 1.515 dias. Ou seja, até 26 de fevereiro de 2014. O valor foi de R$ 8,1 milhões. Dentro do percentual de 25%, permitido pela lei de licitações. 

Provisória – Em Campo Grande, o IFMS passa por sedes provisórias enquanto a obra do campus, no bairro Santo Antônio, não tem previsão de término. O contrato com a Nova Era foi rompido e será lançada nova licitação. A empresa alega que sofreu calote e vai cobrar na Justiça Federal.

Os 1.800 alunos serão transferidos de uma sede provisória na Júlio de Castilho para o colégio Latino Americano, na rua 13 de Maio. O custo mensal do novo endereço será de R$ 35.100. 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions