A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

18/09/2014 15:07

Jovem acusa funcionária de creche municipal de injúria racial

Priscilla Peres

Uma jovem de 21 anos registrou boletim de ocorrência alegando ser vítima de injúria racial. O caso aconteceu ontem em Cassilândia - distante 355 km de Campo Grande, e a suspeita do crime seria uma funcionária de creche do município.
De acordo com informações do boletim de ocorrência, a jovem estava com uma amiga próximo a um supermercado quando a acusada teria dito em voz alta "Ô negra safada".

Veja Mais
Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS
Missão conjunta irá apurar violações de direitos humanos com índios de MS

A amiga da vítima perguntou se era com elas e a jovem disse que não devia ser, porém a mulher parou logo à frente e a amiga da vítima perguntou a ela: "É conosco que a senhora está falando?" A mulher teria respondido, "Não é com você não, é com essa negra safada, sem vergonha".

A jovem perguntou à suspeita o por que dos insultos e ela disse que era porque a vítima havia procurado a diretora de uma creche, onde ela trabalha, para fazer uma reclamação e "fazer inferno em sua vida".

Em depoimento a polícia, a vítima disse que o fato durante a Copa do Mundo, quando ela deu um copo personalizado para seu filho de 4 anos, e esta funcionária não gostou, dizendo que aquele copo" era só para dar trabalho". Um dia, a criança esqueceu o copo na sala de aula e a vítima retornou à escola pedindo para pegar. A funcionária não teria gostado da situação, pegou na mão da criança e apertou dizendo: "tá vendo como esse copo só traz problema".

Diante disso, a vítima realmente procurou a diretora. Ontem, após as ofensas, a jovem disse que iria procurar seus direitos na Delegacia e a mulher teria respondido que 'se procurasse a polícia, a vítima não sabia do que ela era capaz de fazer com o filho dela'.

Após isso, a vítima se dirigiu até a residência da diretora para contar o ocorrido e se surpreendeu com a atitude da mesma quando lhe disse que não poderia fazer nada, pois se tratava de uma briga de rua.

A vítima pede providências pois teme pela integridade física de seu filho. (Com informações do site Cassilândia News)

Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS
A boliviana Celia Castedo Monasterio, indiciada pelo Ministério Público de seu país por ter autorizado o plano de voo da Chapecoense, com saída em Sa...
Hospital Universitário de Dourados alerta para golpe do falso médico
Falso médico estaria agindo em nome do HU-UFGD (Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados) e nesta segunda-feira entrou em co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions