A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

06/07/2011 10:55

Garotas da boate cuja dona é acusada de tráfico de pessoas querem permanecer em Dourados

Vanda Escalante

Elas recusaram assistência oferecida pela polícia e disseram que vão se hospedar em casas de amigas.

As 15 garotas de programa encontradas ontem pela policia na boate Copacabana Bar, em Dourados, dispensaram assistência e disseram que vão permanecer em Dourados, hospedadas em casas de amigas.

A informação é da delegada Magali Leite Cordeiro, do 2º DP, que lavrou o flagrante na operação de ontem. A dona da boate, Conceição Aparecida de Lima, conhecida como Cidinha, de 48 anos, foi presa sob acusação de tráfico interno de pessoas e favorecimento à prostituição, crimes com pena máxima de 8 e 5 anos, respectivamente.

De acordo com a delegada, as 15 jovens em questão são as que moravam na boate. Quatro vieram de outros Estados (duas do Paraná, uma de Goiás e uma de São Paulo), uma do Paraguai e outras dez de diversas cidades de Mato Grosso do Sul. Outras profissionais do sexo que também trabalham na boate são de Dourados mesmo e só vão para o estabelecimento no período noturno.

“Elas foram ouvidas e nós oferecemos assistência, mas todas alegaram que têm amigas aqui e vão permanecer em Dourados”, informou a delegada. Quanto às providências que serão tomadas com relação à boate, a delegada explicou que tudo vai depender da conclusão do inquérito, que será conduzido pelo delegado Wilson Litter, que responde interinamente pela Delegacia da Mulher em Dourados.

Os crimes - O tráfico interno de pessoas é descrito no Artigo 231 A do Código Penal como “Promover, intermediar ou facilitar, no território nacional, o recrutamento, o transporte, a transferência, o alojamento ou o acolhimento da pessoa que venha exercer a prostituição”. A pena prevista é de 3 a 8 anos de reclusão, mais multa.

Já o favorecimento da prostituição ou outra forma de exploração sexual é crime previsto pelo Código Penal no Artigo 228, descrito como “Induzir ou atrair alguém à prostituição ou outra forma de exploração sexual, facilitá-la, impedir ou dificultar que alguém a abandone”. Nesse caso, a pena varia de 2 a 5 anos de reclusão, e multa.

O caso - De acordo com o relato da delegada Magali, que na terça-feira (05) estava respondendo pela Delegacia da Mulher de Dourados, a polícia chegou até à boate Copacabana, na rua Monte Alegre, Vila Maxwell, depois de denúncia de uma das garotas que trabalham na casa.

A jovem que denunciou a situação tem 24 anos e já era profissional do sexo em Jundiaí (SP), onde foi aliciada por um homem identificado apenas como Paulo. Segundo o relato da garota à polícia, a promessa era de “ganhar bem” no bar Copacabana, uma vez que Dourados seria uma boa cidade para “fazer programa”.

“Acontece que ela acabou contraindo uma dívida com a boate e, por isso, a dona não a liberava para ir embora”, contou a delegada, explicando ainda que a garota disse que estava há aproximadamente 10 dias na boate, mas que não estava conseguindo ganhar o dinheiro esperado.

A delegada avalia que, com a ação de ontem, as atividades da boate acabaram sendo “desestruturadas”, embora qualquer outra ação, como o fechamento do local, por exemplo, dependa do fim do inquérito e da ação de outras instâncias, como o Ministério Público.

Justiça determina instalação de rede de esgoto em Nova Alvorada do Sul
A Sanesul e a prefeitura de Nova Alvorada do Sul - cidade localizada a 120 km de Campo Grande - terão que criar no município rede coletora e estação ...
Médico nega que tenha abandonado pacientes e diz que foi autorizado a sair
O médico Carlos José da Costa Duran, de 41 anos, nega que tenha abandonado o plantão no hospital e maternidade Idimaque Paes Ferreira, o único em Rio...



Nao entendo, como a mais antiga das profissoes ate hj em dia no Brasil seja tratada como crime.Essas mulheres estao ali por livre espontanea vontade, tanto que preferiram permanecer na cidade, o que pode ter acontecido com a dita que foi reclamar, que talvez nao seja tao bela quanto as outras e nao tenha ganho nem pra pagar seus custos.Deveriamos olhar como as casas de prostituiçao sendo empresas onde tem seus profissionais ali exercendo suas atividades, claro que nada deve ser de modo obrigatorio, o livre transito é direito de todos.Gostaria de perguntar a delegada que fez o fechamento da casa, se em Dourados só existe essa casa? se existem outras, porque nao fechou todas, ou vai me dizer que a policia nao tem conhecimento de mais atividades desse tipo na cidade de Dourados?Justiça deve ser igual pra todos, por isso seu simbolo é uma balança.
 
mauricio alandislau em 06/07/2011 03:15:15
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions