A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

15/04/2014 14:49

Justiça bloqueia bens de 19 acusados de vender lotes da reforma agrária

Edivaldo Bitencourt

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região determinou o bloqueio dos bens e recursos de 19 acusados de vender lotes da reforma agrária em Corumbá. O pedido foi feito pelo MPF (Ministério Público Federal) e atinge um ex-candidato a deputado estadual pelo PTdoB.

Veja Mais
Assentados da Itamarati acusam Incra de falta de critério para despejos
Bonito é eleito o segundo destino mais "queridinho" por turistas em 2017

Segundo a denúncia, eles foram denunciados por irregularidades na venda e transferência de lotes nos assentamentos Taquaral e Tamarinheiro em Corumbá, a 419 quilômetros da Capital. Eles vendiam os lotes por até R$ 60 mil.

A decisão judicial abrange os bens e recursos financeiros do ex-coordenador do Incra (Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária) e candidato a deputado estadual, Júlio César Pereira Trajano de Souza, a sua esposa, três servidores e 14 diretores do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Corumbá.

O MPF pede a condenação do grupo a perda da função pública, por dano moral coletivo no valor de R$ 100 mil, multa individual e punição com base na Lei da Improbidade Administrativa.

As irregularidades ocorreram em 2010. Eles incluíam na reforma agrária pessoas que não tinham o perfil de beneficiário do programa.

Júlio César e a esposa Gisele da Rocha Souza coagiam os assentados a votar nele para deputado estadual e ainda utilizavam veículo do Incra na campanha.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions