A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

13/05/2011 16:54

Justiça concede liberdade com restrições a agente que matou PM

Marta Ferreira

O juiz Adriano da Rosa Bastos, da 3ª Vara Criminal de Dourados, concedeu nesta tarde liberdade provisória ao policial federal Leonardo de Lima Pacheco, 38 anos, preso em flagrante no domingo, após matar o policial militar Sandro Morel, 36 anos, e ferir o policial José Pereira.

Leonardo também foi baleado durante o tiroteiro, que correu após ele marcar na internet um encontro com a guarda municipal Zilda Ramires, 44 anos.

O policial disse à Zilda, durante a conversa, que era traficante, e ela acionou a equipe do serviço de inteligência da Polícia Militar na cidade com o intuito de prendê-lo.

A defesa de Leonardo havia pedido ao juiz o relaxamento da prisão, por considerar que não houve elementos para o flagrante. O magistrado rejeitou esse pedido, mas entendeu que o policial federal pode responder ao processo em liberdade, por se tratar de réu primário, com residência fixas.

A decisão do juiz, porém, impõe condições, como foi sugerido pelo Ministério Público Estadual.

Leonardo foi preso no domingo, após matar um policial e ferir outro.Leonardo foi preso no domingo, após matar um policial e ferir outro.

Leonardo deverá “sempre manter endereço atualizado e comunicar o juízo quando for viajar por mais de 8 dias. O justiça também determinou que ele continue trabalhando em Dourados, “até mesmo como forma de se facilitar futuras intimações

pessoais.

O MPE pediu,mas o juiz negou, que o policial seja impedido de manter contato por qualquer meio com a guarda municipal Zilda Aparecida Ramires, “vez que, ao menos por ora, não há norma em vigor que assim autorize.”

O agente da PF está na carceragem da Corporação em Dourados, desde ontem, quando teve alta do Hospital Santa Rita. Ele ainda não prestou depoimento no inquérito no qual foi indiciado por homicídio e tentativa de homicídio.

Guarda envolvida em episódio que resultou na morte de PM está afastada
A guarda municipal de Dourados Zilda Ramirez, 44 anos, foi afastada do trabalho nas ruas e está de licença médica, após ter se envolvido, no domingo,...
Escritor douradense lança na terça livro sobre 40 anos de carreira
Será lançado na próxima terça-feira (6) em Dourados - cidade localizada a 233 km de Campo Grande - o livro "A Felicidade pela Literatura: Ensaio entr...



Este é fato lamentável, tudo isso ocorreu os procedimentos de investigações e abordagens foram desprezadas por estes policiais, os ensinamentos na academia utilizados para a formação destes agentes foi rasgados naquela tarde de domingo. É preciso salientar ainda que, quando há uma inversão de valores não só meio policial, mas em qualquer seguimento profissional; as ações executadas tende a saírem erradas. Exemplo: quando guarda municipal passa a ser agente federal, agente federal que se comunica via on line, com pessoas desconhecidas como se fosse um adolescente inconseqüente, advogado faz a vez do traficante ou vice-versa, vai por ai... Conduto, este episódio desatroso e lamentável, só servirão de estudos e procedimentos na formação de novos policiais ou na reciclagem dos que estão ativos, sendo que este tipo de atitude JAMAIS PODERÁ SER PRATICADO. Lamento pela morte do policial, este não mais tem como ser reciclado.
 
Elézio Mello em 14/05/2011 10:40:18
Justiça foi feita! Ninguem teve a intenção de matar um policial e não se trata de policia federal ou policia militar.Trata-se de um grande engano,cujo pivô foi ,como sempre,uma mulher que quis se aparecer e q até agora não foi presa.Um trabalhador viu seu domicilio ser invadida por uma "prostituta" e mais um "bandido".Por ser policia e no recesso do lar não teve duvida,mandou bala.Na tentativa de fugir deu de cara com outro "comparsa bandido".Tudo engendrado pela guardinha! Administrativamente a Policia Federal não deveria punir o agente! Ele agiu correto e profissionalmente!
 
samuel gomes-campo grande-ms em 14/05/2011 09:04:40
Concordo sim, na íntegra, com o comentário de juliano marchezan. Isto mesmo!
Como pode esta sra levar ao pé da letra conversa de batepapo de internet e, mais que isto, se arvorar de cana dura e levar mais 2 com ela penetrando na residência do policial federal, a busca de quê????
 
Paulo Campos em 13/05/2011 11:30:46
Parabéns senhor Juiz, agiu corretamente, a punição de fato deveria ser p/ a guarda municipal que tem como função zelar pelo trânsito, deveria ser investigado o que de fato a levou levar um PM na residência do Federal. Será que não seria uma tentativa de extorção.. achando que no local poderia encontrar a tal droga?... Ela não deve deixar de ser investigada..Pq me perdoem mas a cara dela não nega.
 
SANDRA SILVA em 13/05/2011 08:34:37
Concordo com o Juliano!
 
Gabriel Silva em 13/05/2011 08:11:15
Engraçado a nossa "justiça" pra não dizer coisa pior... Se fosse o contrário, se fosse um PM que tivesse matado um FEDERAL, mesmo que em legítima defesa, este PM estaria preso no Presídio Militar de Campo Grande, ficaria um mês na solitária, não teria nenhum tipo de regalia, seria hostilizado pela "mídia", teria seu nome, endereço e telefone divulgados por esta mesma mídia, não lhe seria dado o direito de responder o processo em liberdade, afinal de contas ele seria "só um PM" e o outro um FEDERAL... Enfim... É por essas e por muitas outras que devemos confiar somente em Deus, pois justiça neste país não existe, muito menos nesta província chamada Mato Grosso do Sul. Ridículo!!!!!!!!!!!!!
 
Leonardo de Almeida Castro em 13/05/2011 06:48:56
Para a justiça a vida de um policial militar morto em serviço vale menos que a de um cachorro doido!!! Queria ver se fosse ao contrário... Fosse o PM que tivesse matado o federal nas mesmas circunstâncias. Era perigoso até mesmo ele estar no presídio federal!!! É como se diz quem realmente trabalha neste país não tem valor...Esta alegada legitima defesa não tem o menor cabimento. Para os leigos que disseram isto, uma consideração: legitima defesa só é valida para se defender de agressão injusta, o que não foi o caso, e a defesa do direito agredido tem que ser lícito, o que também esta descartado. E tem mais, sendo quem é, o autor tinha total capacidade de discernir sobre a gravidade de seu ato, sabia que estava errado, pois foi ele quem deu causa para que o fato se realizasse. E ainda mais grave, o crime é qualificado, pois o golpe foi inesperado pegando a vítima de surpresa, dificultando sua defesa (ela não foi lá para matar o agente, foi lá cumprindo uma determinação legal e seu dever de ofício que era prender um traficante) e foi atingida covardemente por este irresponsável que lhe negou qualquer chance de defesa, mesmo depois de ter se identificado como policial. Por tanto, HOMICÍDIO DOLOSO, QUALIFICADO. Legitima defesa!!!!? É brincadeira de mau gosto... Ninguém é idiota para engolir esta. O jovem policial, com elevado senso de justiça e do dever público estava trabalhando para levar o sustento para sua família e ainda cuidava de sua mãe. Que a família desse nobre companheiro tombado em serviço e em defesa da sociedade fique tranqüila, pois a justiça, tenho certeza será feita, independente de quem quer que seja o culpado.
QUE DEUS O TENHA EM BOM LUGAR COMPANHEIRO. QUE SUA FAMILIA SAIBA QUE SUA MORTE NÃO FOI EM VÃO, POIS SERVIRÁ PARA QUE CADA VEZ MAIS HONREMOS O COMPROMISSO QUE FIZEMOS, DE DEFENDER A SOCIEDADE, MESMO COM O SACRIFÍCIO DA PRÓPRIA VIDA E AINDA QUE INJUSTIÇADOS. QUE SUA MORTE SIRVA DE PROTESTO SOLENE CONTRA A VIOLAÇÃO DA DIGNIDADE POLICIAL MILITAR.

 
Paulo Cândido em 13/05/2011 06:26:39
liberdade para o FEDERAL claroooo ele agiu em legitima defesa orass mas elaa sim CADEIAAA ela tem q ser presa pois armou toda a confusaoooo
 
juliano marchezan em 13/05/2011 05:19:09
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions