A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

17/12/2010 18:40

Justiça concede liberdade para três pessoas envolvidas em homicídio

João Humberto

Na tarde de ontem, a 2ª Turma Criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) determinou que sejam colocados em liberdade três acusados de homicídio ocorrido no interior do estado. A decisão foi contrária ao parecer da PGJ (Procuradoria-Geral de Justiça).

Dois advogados impetraram hábeas corpus em favor de sua cliente, apontando magistrado do interior do estado como autoridade coatora. Os impetrantes esclarecem que a mulher está presa, preventivamente, desde o início da ação penal, que responde pela suposta prática de homicídio qualificado de seu ex-marido.

A prisão preventiva ocorreu em 27 de novembro do ano passado, sendo que seu julgamento perante o Tribunal do Júri estava agendado para o dia 12 de novembro deste ano, mas não foi consumado em virtude de liminar concedida via mandado de segurança, impetrado pelo promotor que atua na ação.

Conforme a denúncia, a mulher teria contratado dois homens para dar fim à vida do ex-marido, por ciúmes e insatisfeita com a necessidade de divisão de bens em decorrência do fim do casamento. Os dois teriam contratado uma terceira pessoa, que assassinou a vítima com quatro tiros. Os três acusados encontram-se presos em estabelecimentos penais do estado.

Em 1.º grau foi negado o pedido de revogação da prisão preventiva e, em seu parecer, a PGJ opinou pela denegação da ordem. A defesa sustenta que o mérito do mandado de segurança não será julgado neste ano, inviabilizando a realização do Plenário do Júri. Sendo assim, o atraso no andamento processual não poderia ser imputado à defesa e requerem que seja garantido o direito de a paciente responder o processo em liberdade.

Para o relator do processo, desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte, o excesso de prazo para a prestação jurisdicional, com a consequente manutenção da paciente e seus comparsas presos, deve ser entendido como constrangimento ilegal, com base em julgados do STJ (Superior Tribunal de Justiça).

“Configurado o constrangimento ilegal por excesso de prazo, sem que para isso tenha concorrido a defesa, não há possibilidade de manter a prisão invocando o princípio da razoabilidade”, destaca Claudionor.

O magistrado salientou que se o crime foi praticado mediante concurso de agentes e o argumento é válido para um deles, também o é para os demais, sob pena de violação ao princípio constitucional da isonomia. Diante disso, entendeu que seria necessário estender o benefício da liberdade para os demais presos.

Psicólogo que ateou fogo em paciente e atendia em MS aguarda julgamento
Ele é processado por lesão corporal grave e teve registro cassadoAcusado de atear fogo em uma paciente em 2006, o psicólogo Edson Rodrigues de Souza...
Justiça suspende alistamento eleitoral em Dourados
Estão suspensos alistamento, transferência e revisão de eleitoresA eleição fora de época de Dourados alterou a rotina da Justiça Eleitoral. Nos cart...
Justiça anula multa de R$ 5 mil para advogado que faltou em audiência
Os desembargadores da Seção Criminal do TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) concederam mandado de segurança para um advogado, que receb...
Justiça proíbe escola de reter documentos de estudantes inadimplentes
Decisão definitivaO Ministério Público Estadual obteve no Tribunal de Justiça decisão a proibição ao Instituto Educacional Paulo Freire de reter doc...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions