A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 02 de Dezembro de 2016

23/01/2014 23:51

Justiça nega recurso e condena homem que arrastou esposa na moto

Vinícius Squinelo

Os desembargadores da 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Mato Grosso do Sul negaram a apelação de José Valmor Peralta Martins e mantiveram a condenação de 4 meses de detenção, em regime aberto, substituída por pena restritiva de direito de limitação de finais de semana.

Veja Mais
Comércio de Ponta Porã funcionará em horário especial neste fim de ano
MPF entra com ação para garantir pesca e extração à comunidade ribeirinha

A contravenção que levou à condenação do réu foi lesão corporal, praticada em âmbito de violência doméstica. A vítima, sua esposa, contou na denúncia que o casal estava em viagem ao assentamento Itamarati, quando a motocicleta em que estavam estragou.

A mulher tem dificuldade para caminhar, por isso se apoiou no veículo. O agressor percebeu que a vítima se desequilibrou e caiu, mas continuou a arrastar a moto, ferindo os joelhos da mulher. Além disso, quando a agredida se soltou e ficou no chão, o marido irritou-se e passou a desferir vários chutes nas costas dela.

O réu negou ter agredido a esposa, dizendo que ela “havia sofrido queda de motocicleta”, entretanto, o cunhado da vítima, bem como seu filho, afirmaram à polícia que o homem constantemente a espancava, que a cena é normal no convívio familiar. Os vários ferimentos detectados no exame de corpo de delito confirmam a história.

Na apelação, além de alegar a inocência por falta de provas, o defensor também pediu aplicação do princípio da bagatela imprópria, que diz que o delito, por ser de menor gravidade, tem o sentido de excluir ou de afastar a própria tipicidade penal, ou seja, não considera o ato praticado como um crime, por isso sua aplicação resulta na absolvição do réu e não apenas na diminuição e substituição da pena, ou sua não aplicação.

O relator do processo, desembargador Dorival Moreira dos Santos, desfez os argumentos da defesa. Ele alegou que não há como afirmar que a conduta do apelante não lesionou o bem jurídico tutelado, condição para ser aplicado o princípio da insignificância.

“Assim, em que pese haver produzido lesões leves, a violência empregada pelo sentenciado é acentuada, de modo que não há falar na aplicação do referido princípio”, conclui o relator.

Comércio de Ponta Porã funcionará em horário especial neste fim de ano
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
MPF entra com ação para garantir pesca e extração à comunidade ribeirinha
Foi ajuizada ação civil pública pelo MPF (Ministério Público Federal) para garantir o direito a pesca de subsistência e extrativismo sustentável da c...



esse bacana tem que esperimentar o braco de um homem assim ele vai ver o quanto e bom bater em mais fraco e mais fragil
 
alcides castilho em 24/01/2014 07:47:37
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions