A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2017

29/09/2011 09:55

UFGD vai recorrer de decisão que mandou suspender transferências

Marta Ferreira

Instituição vai recorrer de decisão, que impõe multa diária de R$ 5 mil

A UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados) informou que vai recorrer da decisão da Justiça Federal que mandou suspender o processo de mobilidade interna de alunos da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), a pedido do MPF (Ministério Público Federal). O órgão encontrou irregularidades na transferência de alunos de cursos pouco concorridos para os mais disputados, entre eles Medicina.

A multa diária pelo descumprimento da determinação é de R$ 5 mil, conforme o despacho do juiz Moisés Rodrigues da Costa. A decisão judicial veio após a instituição ignorar recomendação do MPF em relação à transferência de alunos na instituição, alegando que o processo foi normal. De acordo com o órgão ministerial, há cursos funcionando além da capacidade por causa das transferências.

A decisão judicial manda suspender as matrículas de cinco alunas de Nutrição beneficiadas com a transferência para o curso de Medicina.

O MPF afirma que as vagas oferecidas pela UFGD não são ociosas, como afirma a instituição. Além disso, diz que a mobilidade não é estendida para todos os cursos de uma mesma área de conhecimento e diminui a oferta de vagas no vestibular.

A transferência para Medicina, exemplifica o MPF, só é disponível para os alunos de Nutrição. Já os estudantes de Administração, Ciências Contábeis e Economia não podem concorrer a vagas em Direito, privilégio reservado aos alunos de Relações Internacionais.

De acordo com o MPF, a UFGD não respeita a lotação dos cursos, que não comportam a demanda gerada pela mobilidade interna. Medicina, cuja lotação é de 300 alunos, tem 310 alunos e passaria a ter 315 alunos com a mobilidade. Pedagogia tem 39 alunos além da capacidade, de 150 estudantes.

O MPF ajuizou ação civil pública após a UFGD se recusar a cumprir integralmente uma recomendação de adequação do processo de mobilidade, em agosto

Resposta-À época, a instituição disse que o MPF havia se equivocado ao fazer as contas das vagas que podem ser ocupadas por lei. A Universidade informou, na ocasião, que já havia esclarecido ao MPF, por meio de informações e documentos, de que não ocorreu fraude no vestibular e que todas as vagas utilizadas na mobilidade eram remanescentes/ociosas e que, por força de lei, podem e devem ser preenchidas por processos de transferência interna e externa.

A instituição diz que as vagas colocadas à disposição no processo de mobilidade representam 10% do total fornecido e isso está previsto em lei. Conforme a UFGD, cada universidade define como vai ser feita a mobilidade.

A UFGD diz que a transferência só poder ser feita entre cursos da mesma área de conhecimento.

A universidade informou que vai recorrer da decisão em todas as instâncias.

Jovem morre ao ser atingido por cinco tiros quando chegava em casa
Gean Cláudio da Silva Santos, 19, foi surpreendido por atiradores e morto ao chegar em frente de casa, por volta de 23h30 deste domingo (19). O crime...
Homem dirige embriagado, pede para ser preso e arromba porta de delegacia
Homem, de 31 anos, foi detido em flagrante por dirigir embriagado, ter desacatado policiais e até pedir para ser preso na delegacia de Itaporã, cidad...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions