A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

18/04/2013 22:14

Justiça suspende reintegração de posse a fazendeiro que matou indígena

Luciano Nascimento, da Agência Brasil

O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) suspendeu, nesta quinta-feira (18), a decisão liminar da Justiça Federal em Dourados (MS) que determinava a reintegração de posse da Fazenda Santa Helena, no município de Caarapó (MS), pertencente ao fazendeiro Orlandino Gonçalvez Carneiro.

Veja Mais
MPF recorre de decisão que determinou saída de índios de fazenda em Caarapó
Juíza concede reintegração de posse para fazendeiro que matou indígena

Carneiro é autor confesso da morte do adolescente indígena guarani-kaiowá Denilson Barbosa , morto no dia 16 de fevereiro dentro da propriedade que faz divisa com a Aldeia Tey’ikuê, no município de Caarapó. A decisão, proferida pelo presidente do TRF, desembargador Newton De Lucca também invalida a determinação de exumação do corpo do adolescente indígena.

A liminar da juíza da 1ª Vara Federal de Dourados, Raquel Domingues do Amaral, que havia determinado a reintegração de posse na última quinta-feira (11), não levou em consideração o conceito de terra tradicionalmente usado pelos guarani-kaiowá para permanecer no local.

Raquel também estabelecia um prazo de dez dias para os indígenas deixassem o local. Caso contrário, a comunidade da Aldeia Tey'ikuê teria que pagar uma multa de R$ 10 mil diários. A Fundação Nacional do Índio (Funai) também foi incluída na decisão e seria penalizada em R$ 100 mil diários, caso os índios permanecessem na fazenda.

A decisão do TRF3 que suspendeu a liminar de reintegração de posse considerou que a ocupação da fazenda, “desencadeada em um cenário de revolta com o incidente que retirou a vida de um indígena não significa que não tenha existido ocupação tradicional indígena em momento anterior”.

Em seu despacho, o desembargador informou que foi constituído grupo técnico para fins de demarcação de área na qual se situa a fazenda ocupada, no município de Caarapó, “existindo a previsão de que as conclusões decorrentes do estudo serão entregues com brevidade, o que recomenda que não se adotem medidas de remoção dos indígenas até que seja ultimado o processo administrativo de demarcação da área”.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions