A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

07/09/2015 10:46

Lei que impedia contratação de servidor filiado a partido é revogada

Projeto tinha sido aprovado por iniciativa do ex-presidente da Câmara, preso na Operação Atenas e cassado em janeiro

Helio de Freitas, de Dourados
Léo Matos, prefeito de Naviraí, conseguiu barrar no TJ lei que impedia contratação de servidor com filiação partidária (Foto: Arquivo)Léo Matos, prefeito de Naviraí, conseguiu barrar no TJ lei que impedia contratação de servidor com filiação partidária (Foto: Arquivo)

Uma lei em vigor desde o ano passado que impedia a prefeitura de Naviraí a contratar pessoas com filiação partidária para cargos em comissão (sem concurso público), foi revogada na semana passada pelo TJ/MS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul).

Veja Mais
Presidente interino da Câmara tem 30 dias para convocar eleição da mesa diretora
TJ nega mais uma tentativa de anular ação contra réus da Operação Atenas

A Ação Direta de Inconstitucionalidade foi impetrada pelo prefeito Léo Matos (sem partido) contra o projeto, aprovado por iniciativa do ex-presidente da Câmara, Cícero dos Santos, o Cicinho, preso em outubro do ano passado acusado de comandar o esquema de corrupção desvendado pela Operação Atenas, da Polícia Federal, e cassado em janeiro deste ano.

A ação teve como relator o desembargador Sideni Soncini Pimentel, foi aprovada por unanimidade. O prefeito alegou que a norma contrariava dispositivos da Constituição Estadual e da Lei Orgânica do Município, que conferem prerrogativa exclusiva ao chefe do Poder Executivo a iniciativa do processo legislativo sobre servidores públicos, regime jurídico e provimento de cargos.

Projeto incomum – De acordo com a assessoria de Léo Matos, a lei fazia parte dos “projetos incomuns” apresentado por Cícero dos Santos e que mudava também o prazo para desincompatibilização dos servidores municipais para concorrer ao cargo de vereador, passando de seis meses para um ano.

Com a estratégia, Cícero dos Santos tentava barrar possíveis adversários na disputa pela Câmara. Já que não podia impedir candidatos da iniciativa privada, tentou dificultar candidaturas de servidores municipais. Ele e os outros 12 eleitos em 2012 foram cassados e atualmente a Câmara tem 13 vereadores que antes eram suplentes.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions