A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

28/09/2015 18:01

Liminar obriga prefeituras a consertarem estradas da reserva indígena

MPF considera “afronta aos direitos fundamentais” a recusa de prefeituras em fazer melhorias na reserva enquanto outros produtores rurais já foram beneficiados

Helio de Freitas, de Dourados
Estrada da reserva indígena de Dourados; liminar do TRF determina mesmo serviço feito em outras vias rurais (Foto: Eliel Oliveira)Estrada da reserva indígena de Dourados; liminar do TRF determina mesmo serviço feito em outras vias rurais (Foto: Eliel Oliveira)

A 4ª Turma do TRF (Tribunal Regional Federal) da 3ª Região negou recurso do município de Dourados e manteve a liminar requerida pelo MPF (Ministério Público Federal) que obriga os municípios de Dourados e Itaporã a garantir às comunidades indígenas a trafegabilidade das estradas para que possam ter acesso à saúde, educação, segurança e Justiça.

Veja Mais
Traficante é presa tentando levar maconha para 'boca de fumo' no Amapá
Marido agride mulher com garrafada e se tranca em casa com medo da polícia

A liminar, cuja manutenção foi assegurada pela Procuradoria Regional da República da 3ª Região, foi requerida pelo MPF com base nos princípios da isonomia e da dignidade humana.

De acordo com o MPF, a precariedade das estradas que dão acesso às terras onde vivem as comunidades indígenas não permite tráfego de transporte escolar, de ambulância e de veículos da Polícia Militar e Força Nacional, comprometendo diretamente os direitos fundamentais à educação, saúde e segurança. “Trata-se do núcleo básico qualificador do mínimo existencial”, afirmou a Procuradoria, ao se manifestar em relação ao recurso do município de Dourados.

Serviço igual ao de outras estradas – Conforme a Procuradoria, a liminar obriga as prefeituras das duas cidades a realizar obras de manutenção nas vias internas da reserva indígena de Dourados, como foi feito nas demais comunidades rurais, com o nivelamento, cascalhamento, limpeza e construção de caixas de retenção e valetas para o escoamento da água das chuvas. O descumprimento da determinação implicará multa diária de R$ 50 mil.

Na ação civil pública, o MPF demonstrou que houve repasses da União para as obras destinadas a beneficiar toda a comunidade rural, inclusive a indígena, que também se dedica à produção agrícola. O município efetivamente realizou as obras em toda região rural, deixando a reserva indígena de lado, o que, segundo a Procuradoria, torna patente “a discriminação indevida na destinação dos recursos”.

A Procuradoria classificou de “absurda” a alegação de que caberia à Funai (Fundação Nacional do Índio), e não aos municípios, executar as obras na reserva indígena. “tendo em vista que o município tem plena ciência de que à Funai cabem as políticas indigenistas, não a construção de estradas e vias de tráfego de veículos”.

Ao negar provimento ao recurso de Dourados, a 4ª Turma do TRF afirmou ser “uma afronta à dignidade da pessoa humana, submeter os indígenas a condições tão inóspitas, dificultando o acesso à rede de saúde regular, à escola para crianças da comunidade e ao escoamento de sua produção agrícola”.

Marido agride mulher com garrafada e se tranca em casa com medo da polícia
Mulher de 42 anos foi agredida pelo marido com uma garrafada no sábado (3), após ser vista conversando com as amigas em sua casa em Dourados, distant...
Domingo é de redação no segundo dia de prova do Enem em Paranaíba
Candidatos do Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) em Paranaíba, distante 422 quilômetros de Campo Grande, fazem neste domingo (4) as provas de reda...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions