A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

25/07/2014 15:43

Menina que contraiu síndrome ao tratar epilepsia ganha indenização de R$ 181 mil

Marta Ferreira

A Justiça de Mato Grosso do Sul condenou um médico a pagar indenização no valor de 250 salários mínimos, R$ 181 mil nos valores de hoje, a uma criança que, segundo o processo, adquiriu uma a Síndrome de Stevens-Jhonson, em razão do uso de uma medicação para tratar epilepsia. O caso aconteceu em 2002, em Vicentina, município a 255 quilômetros de Campo Grande, e a sentença contra o médico foi confirmada agora pelo Tribunal de Justiça, segundo divulgou o site do órgão.

O processo corre em segredo de justiça e por isso os nomes são preservados. Segundo o TJ informou, por unanimidade, os desembargadores da 1ª Câmara Cível do Tribunal condenaram o médico a pagar indenização, por danos morais e estéticos. A criança, conforme o processo, apresentava um quadro de epilepsia e foi tratada com medicamentos que provocam a Síndrome. A menina, cuja idade não é informada, sofreu perda total da visão de um olho, de 60% do outro olho, teve deformidade facial, lesões cutâneas, que começaram com bolhas na pele, entre outros problemas.

O médico, que é neurocirurgião, alegou, em sua defesa à Justiça, não estar provada a responsabilidade em causar a Síndrome de Stevens-Johnson, por não ter agido “com negligência, nem imperícia, muito menos imprudência. Informou, ainda, que o medicamento prescrito para o tratamento da epilepsia é tido como primeira opção para o quadro clínico. Segundo o profissional, não há como prever se haverá reação alérgica ao remédio. Ele argumentou, também, que a síndrome apresentada pela criança pode ter ocorrido por três motivos: fatores genéticos, em decorrência de infecção apresentada pela menina ou, por último, pelo medicamento utilizado no tratamento da epilepsia.

Veja Mais
Pistoleiro executa morador em acerto de tráfico de drogas na fronteira
Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS

O voto do relator do recurso de apelação, desembargador Sérgio Fernandes Martins, disse que houve responsabilidade por parte do médico. Para ele, o médico deveria ter agido com mais “cautela e prudência”, ao ter prescrito simultaneamente os medicamentos lamotrigina e ácido valpróico. Faltou, ainda, para o desembargador, acompanhamento médico efetivo a fim de prevenir eventuais reações ao uso do fármaco, o que não ocorreu.

Foi citado pelo magistrado parecer do Ministério Público Estadual que também culpa o médico. “Depreende-se da bula do medicamento Lamictal, que não há informação suficiente sobre o uso do remédio Lamictal em crianças com menos de 12 anos. Em tal bula, também, consta que o medicamento Lamictal pode ocasionar reações adversas como Síndrome de Stevens-Johnson. Por outro lado, segundo se infere da bula do medicamento Depakene, no grupo de pacientes pediátricos, 'o ácido valpróico deverá ser usado como único medicamento, com muito cuidado, devendo-se avaliar cuidadosamente os riscos e benefícios do tratamento'. Na bula do medicamento Depakene, ainda, consta na seção 'interação medicamentosa' que o uso concomitante desse remédio com o princípio ativo 'Lamotrigina' (do medicamento Lamictal) deve ser cauteloso, sob pena de reações adversas, verbis: 'A dose de lamotrigina deverá ser reduzida nesses casos. Sérias reações de pele como Síndrome de Stevens-Johnson e a necrólise epidérmica) foram relatadas com a administração concomitante de lamotrigina e valproato (princípio ativo Depakene)”, diz o texto.

Na votação pela Câmara, em recurso do médico contra decisão de primeiro grau, os magistrados foram unânimes ao confirmar o pagamento de indenização. Ficou definido na sentença o pagamento dea indenização de dano moral em 100 salários-mínimos (R$ 72,4 mil) e por danos estéticos no valor de 150 salários-mínimos (R$ 108,6, mil).

Os recursos contra a decisão ainda não se esgotaram e por isso pode haver mudança no processo.

Boliviana indiciada após tragédia com voo da Chape pede refúgio em MS
A boliviana Celia Castedo Monasterio, indiciada pelo Ministério Público de seu país por ter autorizado o plano de voo da Chapecoense, com saída em Sa...
Hospital Universitário de Dourados alerta para golpe do falso médico
Falso médico estaria agindo em nome do HU-UFGD (Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados) e nesta segunda-feira entrou em co...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions