A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 04 de Dezembro de 2016

06/11/2013 16:38

Mineração traz prejuízos para moradores de Corumbá, denuncia MPF

Filipe Prado

O MPF (Ministério Público Estadual do Mato Grosso do Sul) instaurou procedimento sobre os impactos da extração de ferro em Corumbá. Na Comunidade Antônio Maria Coelho, segundo a procuradoria, os moradores reclamam da contaminação da água após a instalação de indústrias de mineração e siderurgia.

Veja Mais
Homem é preso com maconha escondida em banco de carro na MS-134
Idoso sofre sequestro relâmpago por supostos vendedores na fronteira

A empresa Mineração Corumbaense (Vale) pediu a expansão das atividades em 138,6%, aumentando a retirada de ferro na região, de 4,4 milhões de toneladas por ano, passaria para 10,5 milhões. O pedido foi levado ao Ibama (Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis) e ainda está em andamento.

Em agosto, o procurador da República Carlos Alberto dos Rios Jr. e representantes da Prefeitura de Corumbá, da Fundação de Meio Ambiente, da Embrapa e das empresas Mineração Corumbaense Reunida (Vale) e Vetorial Siderurgia, promoveram audiência para ouvir as reclamações dos moradores.

Segundo assessoria, eles relatam a falta de água no local e disseram que o córrego Piraputanga, que abastece a região, secou desde o início da mineração. O abastecimento de água é feito por carros-pipa, porque a região não tem tratamento adequado.

Mas ainda dizem que mesmo com as dificuldades passadas, por conta da mineração, reconhecem que a indústria gerou emprego e renda para os moradores da região.

O MPF quer, segundo assessoria, que o novo licenciamento ambiental tenha a compensação para a comunidade, não só os danos ambientais.

Idoso sofre sequestro relâmpago por supostos vendedores na fronteira
Idoso de 61 anos e brasileiro, sofreu um sequestro relâmpago na manhã deste domingo (4), enquanto descia do seu veículo para realizar compras no lado...
Concurso Beleza Negra acontece na próxima sexta-feira em Dourados
A cidade de Dourados - que fica a 233 km de Campo Grande - recebe na próxima sexta-feira (9), a partir da 19h, a primeira edição do Concurso Beleza N...



É uma vergonha a morosidade que anda os processos ambientais, principalmente, se envolve pequenas comunidades. Falta justiça ambiental. Por que sempre os que possuem menos poder, seja econômico, político e social, tem que ficar com ônus do progresso e do desenvolvimento?
Porque é esse o discurso dos gestores públicos e empresas, a mineração vai trazer emprego e desenvolvimento. E agora, faz mais de cinco anos que essa comunidade está sendo abastecida por caminhão pipa. Perderam a água potável que utilizavam para sobreviver. Algumas empresas já fecharam outras venderam e uma insiste em ampliar a exploração de minério. Para quem chegou esse desenvolvimento e progresso??
Deixo aqui minha indignação com esse sistema que prioriza o lucro comercial de poucos ao bem-estar humano.
 
Patrícia Zerlotti em 07/11/2013 00:02:13
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions