A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

01/03/2015 11:48

Ministério Público investiga "farras das diárias" na Câmara de Três Lagoas

Flávia Lima
Presidente da Câmara nega denúncias de abuso de diárias e de apropriação indébita de salários de funcionários. (Foto:Divulgação)Presidente da Câmara nega denúncias de abuso de diárias e de apropriação indébita de salários de funcionários. (Foto:Divulgação)

O Ministério Público de Três Lagoas iniciou investigação sigilosa para apurar várias irregularidades na Câmara Municipal. Uma das principais denúncias que vem sendo apurada é o crime de apropriação indébita de parte dos salários de funcionários que ocupam cargo de confiança. O presidente da Casa, Jorge Aparecido Queiroz (PSDB), o Jorginho do Gás é um dos suspeitos de fazer uso desta prática ilegal.

Veja Mais
Prefeita diz que merenda normalizou, mas crianças são flagradas almoçando goiaba
Vereadores convocam secretário para explicar falta de merenda em escolas

De acordo com a denúncia que está sendo apurada pelo promotor Fernando Marcelo Peixoto Lanza, funcionários estariam sendo obrigados a devolver até 50% dos salários, quem em alguns casos chegam até R$ 3 mil. Metade deste valor estaria sendo repassado para os vereadores envolvidos, diretamente ou indiretamente, por meio de pessoas de confiança. Diante da denúncia foi aberto procedimento investigatório e devida a gravidade do caso foi decretado segredo de justiça.

Caso sejam confirmadas as irregularidades, os vereadores envolvidos podem correr o risco de serem processados criminalmente e ter o mandato cassado.

Outra questão investigada pelo MP é quanto a receita anual da Câmara, que gira em torno de R$ 15 milhões. O valor seria seria suficiente para garantir a construção de 12 creches na cidade e atender mais de 2 mil crianças ou adquirir 15 ambulâncias. Com a verba também seria possível garantir a execução de 16 obras semelhantes ao recapeamento recém-inaugurado na avenida Filinto Müller, projeto executado com recursos estaduais.

Apesar do aumento de vereadores de 11 para 17, o Poder Legislativo consegue garantir salário de R$ 10 mil mensais e diárias que chegam a R$ 900 no caso de viagens dentro do Estado e R$ 1.350,00 quando são para outros estados. A farra das diárias é praticada tanto por assessores quanto pelos próprios vereadores. A maioria justifica os gastos com cursos de qualificação. Nem bem os trabalhos legislativos iniciaram esse ano e já foi totalizado um gasto de mais de R$ 100 mil diárias, num período de apenas um mês de trabalho, somando viagens de vereadores, assessores parlamentares e funcionários da Câmara.

Já a despesa de um servidor quando em viagem gira em torno de R$ 150, incluindo hospedagem e alimentação. Chama a atenção ainda que muitas das viagens são feitas para cidades do estado vizinho, a poucos quilômetros de Três Lagoas, porém os vereadores computam como viagens interestaduais, fazendo uma diferença substancial no valor.

Pressionados com a repercussão da “farra das diárias”, essa semana os vereadores aprovaram projeto para reduzir os valores, mas que ainda continuam muito acima da realidade financeira do município. Ficou estabelecido que o valor da diária será de R$ 700 e, caso o destino seja superior a uma distância acima de 1000 quilômetros do município (ida e volta), o benefício tem um acréscimo de mais 40% (R$ 280,00).

Combustíveis - Além das diárias, os vereadores contam com uma boa dose de combustível para abastecer seus veículos. Cada um tem direito a 300 litros por mês. Com isso, os parlamentares podem gastar 5.100 litros mensalmente. Isso representa um gasto de cerca de R$ 17 mil a cada mês, considerando o preço da gasolina. A movimentação de veículos no posto de combustível localizado a 100 metros da sede legislativa é intensa. Atualmente, estão cadastrados no sistema da Câmara 46 veículos e até um cortador de grama para abastecer com a cota que cada um tem direito.

Com a cota de 300 litros, é possível um carro percorrer distância equivalente a mais de 3 mil quilômetros, ou seja, daria para o motorista se deslocar até Campo Grande mais de 10 vezes ou viajar da cidade até Salvador, capital da Bahia, e ainda ter uma reserva para percorrer mais de 800 quilômetros.

Em entrevista a um jornal local, o presidente da Câmara, Jorge Aparecido Queiroz nega que os funcionários estariam sendo obrigados a repassar parte de seus salários. Quanto ao orçamento da Casa e o valor das diárias, o presidente afirma que a Câmara já trabalha no limite de seu orçamento e que não há como reduzir mais os gastos, já que o número de vereadores e de funcionários aumentou.

(Com informações do site JP News) 

 

 




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions