A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

27/08/2014 16:31

MPE aponta uso de laranjas e justiça suspende contrato para limpeza

Liana Feitosa
Empresa e prefeito tiveram bens congelados pela justiça. (Foto: Reprodução/Facebook)Empresa e prefeito tiveram bens congelados pela justiça. (Foto: Reprodução/Facebook)

Liminar da Justiça Estadual, concedida a pedido do Ministério Público Estadual, determinou a anulação do contrato entre a Prefeitura de Brasilândia, distante 355 km de Campo Grande, e a empresa Brasbroom Serviços Urbanos, que presta serviços de limpeza pública na cidade. Foram constatadas irregularidades no processo licitatório que permitiu a contratação da empresa, além de improbidade administrativa, que é a conduta ilegal de agentes públicos.

Veja Mais
Ação para acabar com pichações na Capital deve ser ampla, diz prefeito
Ex-reitor da IFMS tem bens bloqueados e pode ser condenado por improbidade

De acordo com a investigação do Ministério Público Estadual, além de ter sido criada no nome de duas "laranjas", a empresa foi constituída cerca de 30 dias após divulgado o resultado da licitação. Ela foi criada formalmente no escritório de contabilidade do marido da atual vice-prefeita do município, Márcia Amaral (PSDB).

Também foi apurado que a empresa vencedora da licitação, que receberia R$ 898 mil por ano para realizar os trabalhos contratados, pertence a um ex-candidato a vereador, nas eleições de 2012, integrante da coligação que apoiava o prefeito eleito na cidade.

Outras investigações apontaram que, possivelmente, o contrato seja o maior, com a utilização de recursos próprio, já firmado pelo município. Atualmente, o acordo supera R$ 1 milhão por ano e, ao que tudo indica, a ilegalidade sempre foi conhecida pelo prefeito de Brasilândia.

Decisão - O juiz Rodrigo Barbosa Sanches, da comarca de Brasilândia, que determinou a anulação do contrato entre a prefeitura e a empresa responsável pela limpeza urbana, também determinou o bloqueio dos bens do prefeito do município, Jorge Justino Diogo (PT), do empresário João Ferreira da Silva Neto, e da empresa Brasbroom LTDA.

Segundo a sentença, são fortes os indícios de que "a contratação da empresa não passou de manobra para burlar a concorrência pública, afrontando os princípios da legalidade, impessoalidade e moralidade, norteadores da Administração Pública."

A Brasbroom também está impedida de interromper os serviços de limpeza urbana para que não prejudique a população de Brasilândia. O caso ainda está em andamento e as partes envolvidas ainda podem recorrer da decisão.

Tanto a empresa, quanto Jorge Justino, foram procurados pelo Campo Grande News para falar sobre o caso. A equipe foi informada que o prefeito estava em reunião com advogados e que, por isso, não poderia falar. Já a empresa informou que somente o proprietário da mesma poderia falar sobre o caso e, por estar em viagem, só atenderia a imprensa amanhã (28).

Ex-reitor da IFMS tem bens bloqueados e pode ser condenado por improbidade
O ex-reitor da IFMS (Instituto Federal de Mato Grosso do Sul), Marcus Aurélius Stier Serpe, e outros três envolvidos em irregularidades na construção...
Lojas vão estender horário de atendimento durante o mês de dezembro
O comércio de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande - irá funcionar em horário especial neste fim de ano. Os horários e dias foram ...
Esposa é presa ao tentar entregar pão recheado com maconha para detento
A esposa de um detento de Itaquiraí, distante 410 km de Campo Grande, foi presa na tarde de ontem (7) tentando entregar um pão recheado com maconha p...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions