A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

12/05/2011 10:53

MPE defende liberdade a PF que matou policial, mas com restrições

Angela Kempfer

Parecer do Ministério Público Estadual é favorável a liberdade provisória de Leonardo Pacheco, preso no domingo passo após matar o policial militar Sandro Morel, em Dourados.

Na avaliação do MPE, o agente deve ser libertado mediante algumas condições, entre elas, a de não se aproximar da guarda municipal Zilda Ramires, que levou os PMs do serviço reservado até o apartamento de Leonardo, sob suspeita de tráfico de drogas.

Caso ganhe a liberdade, o Ministério Público defende também que sejam colocadas como obrigações não mudar de residência sem prévia autorização judicial, bem como, não se ausentar por mais de 8 dias de sua casa, sem comunicação à autoridade judiciale, ainda que ele não seja transferido, promovido ou removido para outra comarca que não seja a de Dourados, até o final do julgamento.

O MPE ainda considera que "tendo em vista estarmos diante de um cometimento de um crime envolvendo pessoas que integram a força pública e, ainda, considerando que não há nos autos, até o presente momento, provas de que o acusado, uma vez em liberdade, tenha ou terá como exercer qualquer ato que possa presumir uma futura interferência na instrução criminal, também, não vemos razão para que o mesmo permaneça preso"

O pedido de liberdade ainda será analisado pela Justiça. A defesa alega legítima defesa, conforme solicitação de liberdade feita à Justiça, que consta nos autos.

Cinco pessoas são atingidas por raio em colheita de cana e uma morre
Um trabalhador rural identificado como Abmael Fernandes dos Santos, de 30 anos, morreu na tarde desta quarta-feira (7) ao ser atingido por um raio en...
Autores de 'arrastão' são presos após perseguição de moto; veja o vídeo
"Desculpem os palavrões, mas há situações em que a gentileza não é prioridade". Assim a Getam (Grupamento Especial Tático de Motos) publicou nesta qu...



Sou morador de Dourados e não quero que policiais invadam minha casa. Eu não posso ter armas, pois sou um cidadão comum (comerciário), e para me defender ficaria dificil. Quem assegura que esse P2 e essa GM não foram lá achando que o Federal era traficante mesmo e queriam extorqui-lo? O pior é que ele não era e eles se deram mal.
E como disse o Joel, anteriormente, na internet você pode ser qualquer coisa: Papa, ator, jogador de futebol, traficante, prostituta, empresário, rico, pobre, ter carrão etc. Muita inocência da GM e do P2 em acreditar que o ser que falava do outro lado era mesmo traficante, não acham? Que traficante vai se identificar assim na net com alguém que nunca viu? Por favor...
Sou a favor de que o PF seja absolvido em legítima defesa, pois se eu estivesse na mesma situação e tivesse uma arma, faria o mesmo.
É só mais uma opinião.
 
Luis Fernando em 18/05/2011 05:26:04
Cristina Mendes, você também deveria estar presa, pois literalmente esquartejou a língua portuguesa.Homicídio qualificado.KKKKKKKKKK
 
paulo souza em 13/05/2011 11:58:53
Todos falam do policial, mas e essa guarda?.. qual a penalidade p/ ela?..quem deveria responder por tudo deveria ser ela.. não o policial que agiu corretamente. Papelão heim dona.. é que com essa feiura sua.. só colocando foto de outra pessoa no msn p/ enganar.. que é o que vc deve ter feito.. pq o pocial não ia encarar você qdo visse pessoalmente.. tenho certeza..Vai procurar o que fazer.. cuidar do trânsito que é sua obrigação.
 
sandra silva em 13/05/2011 11:47:56
creio que o policial federal deve ser absolvido por legitima defesa. pois nao ha justificativa para a guarda municipal e nem os PMs fazer o que fizeram. pois nao havia qualquer prova contundente para invadirem o domicilio do cidadão e nem tao pouco ordem judicial. e muito menos competencia das pessoas envolvidas na ação para realizarem tal açao. o que ta faltando é uma instituição respeitar a competencia da outra. esse trabalho na é da PM isso tem que ficar bem claro. enquanto a PM insiste em fazer coisas que nao é sua atribuição inocentes estao morrendo, seja de um lado ou do outro. por ex..." eu posso dizer aqui que ja matei 300 pessoas, mas para me responsabilizarem pelos fatos tem que terem provas, nao é vir na minha casa de uma forma até insana e tentar me pegar sem provas". por isso que cada macaco tem que estar em seu galho. vamos aprender trabalhar de uma forma profisssional pq lidamos com armas e vida das pessoas. ta faltando profissionalismo e as pessoas pararem de querer sair na foto.
 
joel pereira em 13/05/2011 11:07:32
Diante do fato; quem sofre é a familia, quem esta ser ou errado já não vem mais ao caso, uma vida foi ceifada; qual lição nos da segurança publica podemos tirar deste fato para que casos lamentaveis como este não ocorra mais?
 
Valdir Pereira em 13/05/2011 07:03:47
Já que o MPE entende que até o momento não há provas de que o acusado interfira na instrução criminal, ele deveria ficar solto até o momento, sim. Concordo. Após esse momento passar, ele poderia interferir, e, consequentemente, ser preso. O ponto crucial aqui parecer qual o transcurso do momento.
 
Carlos Alberto de Oliveira Braga em 12/05/2011 11:39:37
parabéns pela rapidez
correu atrás...

foi mais rápida que o concorrente
e o melhor não copiou de ninguem
 
raimundo nonato da silva em 12/05/2011 11:09:19
E a mulher não vai ser presa? Quem levou o jovem polical para a morte foi essa mulher. O jovem estava almoçando com a mãe e a família nos dias das mães e logo depois sai para o serviço e não volta mais. A guarda municipal deveria comunicar à polícia civil e deixar para quem entende do assunto. Defendo uma punição mais severa para quem começou o homicídio. A guarda unicipal.
 
Ricardo Alves em 12/05/2011 05:57:51
Cada vez que alguém fala sobre este fato.....o "fato"fica mais curioso,como didse o cidadão ai em cima"todo policial e acho que etá mesmo á Guarda Municpal",tem vias de pelo nome,endereço,cpf,rg etc.verificar qualquer pessoal em qualquer lugar deste País,até ás "casas Bahia" te acha quendo quer cobrar você.Outra coisa,Estas "decisões" judiciais em MS,estão ficando frequente:não poder ir ao ber,não pode dirigir,não poder ver fulano,não falar com cicrano,etc...Olha conheço muitas pessoa que conhecem de Lei e que talvez "faltaram"esta aula,onde estes que ai estão,incleuem em seus despachos e soltam pessoas ligadas a crimes,co mo também foi o fato da pessao que matou um "segurança" outro dia.Este Policial Federal,assim como o "pivo" de toda esta "errada",a senhora Guarda Municipal,deveriam ficar atrás da s grades até esclarecerem tudo isso,pois o outro não voltará mais,infelizmente.
 
cristina mends em 12/05/2011 04:57:11
Defendo não só a liberdade do Policial Federal, como também sua absolvição por legítima defesa. Policiais Militares não podem investigar e, muito menos, invadir a casa dos outros sem mandado judicial. Se fosse comigo, teria mandado bala também. O policial federal já está pagando um preço alto por sua inconsequência.
 
Gilberto Ramos em 12/05/2011 04:56:12
É estranho um policial federal dizer que é traficante. Se fosso eu o Delegado daria uma olhada no imposto de renda dele e da familia. Para ver como que esta o patrimonio desse cidadão.
so espero não receber represaria da Policia Federal por estar escrevendo isso. caso isso aconteça nem vou andar na rua. Vou sumir. KKKKKKKKKKKKK
 
Marcelo Pereira em 12/05/2011 03:10:37
QUERIA VER SE TIVESSE OCORRIDO AO CONTRÁRIO.
 
LUCIO M COELHO em 12/05/2011 02:51:02
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions