A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

03/10/2012 09:38

MPE quer afastamento de servidores de Aquidauana

Francisco Júnior
Agentes do Gaeco durante operação na prefeitura de Aquidauana. (Foto: Divulgação)Agentes do Gaeco durante operação na prefeitura de Aquidauana. (Foto: Divulgação)

O MPE/MS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul) pediu o afastamento dos cinco servidores de Aquidauana presos durante operação Parajás desencadeada pelo Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas) na última quinta-feira (27).

Veja Mais
Gaeco vai ouvir mais cinco pessoas sobre esquema de corrupção em Aquidauana
Gaeco fecha prefeitura e prende cinco servidores em Aquidauana

O secretário de finanças do município, Paulo Sérgio Goulart; o assessor da Assembleia Legislativa, Jorge Cáceres; o servidor da Gerência de Finanças, Carlos Augusto Paim; Ado Luiz Aramburu, chefe de gabinete da Ouvidoria-Geral, e Fernanda Aparecida Alves Marti, servidora do setor licitações, são  acusados de montar um esquema de desvio de dinheiro público, fornecimento irregular de combustível, emissão de nota frias, contratação irregular de servidores comissionados, além de favorecimento em concurso público e outras irregularidades na administração municipal.

Como a prisão temporária teve seu prazo de 5 dias encerrado no dia 01 de outubro de 2012, na mesma data o Ministério Público Estadual protocolou pedido de prorrogação da prisão temporária por mais 5 dias,  por entender que se tratava de medida imprescindível para a continuidade da investigação, porém o pleito não foi acolhido pela autoridade judiciária, que revogou as prisões.

Assim, o Ministério Público apresentou o pedido de aplicação de medidas cautelares diversas da prisão, com a finalidade de evitar que os investigados possam continuar a praticar crimes contra a administração pública e impedir que de alguma forma venham a atrapalhar a investigação tendo acesso aos locais dos delitos e aos demais funcionários que ainda serão ouvidos.

Caso as medidas sejam deferidas e não sejam observadas pelos investigados poderão ser decretadas suas prisões preventivas. O pedido já está nas mãos do Juiz de Direito Giuliano Máximo Martins que deverá aprecia-lo nas próximas horas.


De acordo com MPE, 19 pessoas já foram ouvidas pelos Promotores e outras 11 pessoas estão notificadas para comparecerem na Promotoria até o final da semana.

 




Bom dia! Senhor Antonio Pereira sou aquidauanense e minha familia toda mora lá mais moro aqui em CG o fato é que nem um nem o outro candidato são santos quer dizer ninguem que seja a favor do corenelismo que ainda existe la sera bom para os que se dizem donos da cidade é um sujo falando do mal lavado todos não eles não valem nem o que o gato enterra, e tambem não digo que tenho dó das pessoas pois cada cidade merece o governo que tem alias todo o Brasil, a maioria dos brasileiros se contentam com um sacolão ou qualquer coisa desse tipo para vender seu voto e depois ficam fazendo o maior circo de que adianta hein? Então não adianta comentar coisas de la se são os mesmos que colocam crapulas no poder todos são corruptos e não livra nenhum.POR ISSO VOTO É BRANCO........
 
Luz Aparecida Santos em 04/10/2012 08:55:02
Adivinhe quem bancou a primeira eleição do Fauze?, o chefão. Mandou nomear os agora envolvidos em cargos que dominavam o dindim é claro. Isto esta desde o início do mandato do dito cujo. Quem não se lembra a bagatela de três milhões em propaganda. O triste é que o povo de Aquidauna esta adormecido, será que vão espera dezoito anos como em Campo Grande ?
 
antonio pereira em 03/10/2012 19:59:07
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions