A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Domingo, 11 de Dezembro de 2016

29/08/2011 11:33

MPF cobra cumprimento de medidas de segurança na ponte do Rio Paraguai

Paula Vitorino

Ministério Público também continua investigações sobre omissão na conservação da ponte

Ponte sobre o Rio Paraguai. (Foto: Divulgação)Ponte sobre o Rio Paraguai. (Foto: Divulgação)

Para garantir a segurança do tráfego de veículos, o MPF (Ministério Público Federal) recomendou a adoção de medidas para cumprir as restrições de tráfego na ponte sobre o Rio Paraguai, na BR 262, próximo a Corumbá. Devem ser adotadas ações concretas para que a velocidade máxima no trecho seja de 40 km/h e que a distância mínima de 100 metros entre os veículos com mais de 3 eixos seja respeitada.

A recomendação foi dirigida ao Departamento Nacional de Infraestrutura de Transporte (DNIT), à Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) e a empresa que explora o pedágio na ponte. Eles têm 10 dias, a partir do recebimento, para responder ao MPF, sob pena de adoção de medidas judiciais.

As medidas de segurança foram sugeridas pela equipe que vistoriou a ponte após sua interdição, em 8 de maio, devido a colisão de uma embarcação com o pilar central. O choque abriu um vão de 20 cm na ponte e provocou sua interdição por 6 horas. O tráfego só foi liberado sob as condições de constante monitoramento e adoção das restrições.

O MPF constatou que não foi implementada qualquer medida concreta para que os motoristas respeitem as restrições recomendadas, “havendo apenas uma singela placa sinalizando o limite de 40 km/h”, colocando em risco a integridade dos motoristas e a estrutura da ponte.

Caso a ponte seja interditada novamente, o tráfego de até mil veículos por dia será realizado por balsas. A ponte é a única ligação rodoviária de Corumbá com o resto do país. O município tem um dos principais distritos minerais do país, concentrando grandes reservas de manganês e ferro, exploradas por dezenas de empresas.

Omissão - O MPF também investiga, através de inquérito civil público, por que não foram adotadas medidas para recuperação dos dolfins (estrutura de proteção dos pilares), atingidos em colisões anteriores, “mesmo diante das reiteradas comunicações da Capitania Fluvial à Agesul”.

Segundo o órgão, o pilar atingido em maio não tinha qualquer estrutura de proteção, destruída em acidentes anteriores e nunca refeita.

Em despacho de 18 de agosto, o MPF requer informações à Agesul e ao DNIT para esclarecer virtual omissão dos responsáveis pela manutenção e gerenciamento da ponte.

A concessionária da ponte, DNIT e Agesul devem informar quando vai haver vistoria com mergulhadores nos pilares da ponte e se há laudo pericial acerca dos danos ocorridos e providências necessárias para a recuperação da estrutura. Também é requerido o projeto de recuperação da estrutura, com a definição da fonte dos recursos que vão financiar as obras.

A concessionária deve ainda encaminhar ao MPF cópia do resultado financeiro de 2009 e 2010, indicando a receita com a cobrança de pedágio na ponte, além das despesas e investimentos com manutenção e melhorias na estrutura.

Dnit apresenta na terça, estudo para recuperação da ponte sobre o rio Paraguai
O Dnit (Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes) apresenta na próxima terça-feira (28) , o estudo jurídico que pode garantir a recuper...
Motorista embriagado atropela ciclista e foge sem prestar socorro
Guinovaldo Aguiar Gama, de 53 anos, foi preso em flagrante depois de ter atropelado um ciclista na região central de Itaporã, 227 quilômetros de Camp...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions