A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

09/11/2012 14:26

MPF pede indenização de R$ 86 milhões para índios de Japorã

Nícholas Vasconcelos
Comunidade guarani-ñandeva remanescente dos índios que foram retirados de área em 1928. (Foto: Divulgação)Comunidade guarani-ñandeva remanescente dos índios que foram retirados de área em 1928. (Foto: Divulgação)

O MPF (Ministério Público Federal) em Dourados entrou com ação contra a União e a Funai (Fundação Nacional do Índio) exigindo pagamento de R$ 86 milhões por danos morais e materiais para uma comunidade indígena em Japorã, a 487 quilômetros de Campo Grande. A ação compensatória para a comunidade Yvi Katu, expulsa de seu território tradicional a partir de 1928 durante o processo de colonização do Estado.

Veja Mais
Caminhão carregado com 2,6 toneladas de agrotóxico é apreendido
Homem é preso transportando de carro roubado em guincho para despistar polícia

A indenização deve ser destinada à comunidade indígena, atualmente ocupada por 300 guarani-ñandeva em uma área que corresponde a 10% do total da fazenda Remanso Guaçu.

Segundo o MPF, a União e o Serviço de Proteção ao Índio (SPI), órgão que antecedeu a Funai, foram os principais responsáveis pela expulsão dos índios de Mato Grosso do Sul das terras ocupadas tradicionalmente e o posterior confinamento em pequenas áreas. No processo foram consideradas ainda a dispersão e a violência sofridas pela comunidade, a demora de mais de um século no processo de demarcação e a frustração no usufruto das terras.

O cálculo da indenização levou em consideração a área de 9.454 hectares da terra Índigena Yvy Katu declarada por portaria do Ministério da Justiça. A demarcação física já foi realizada e falta apenas a homologação pela Presidência da República, mas foi contestada no STF (Supremo Tribunal Federal), com recurso negado.

Foi levantado o valor anual do arrendamento da terra desde 1928 até 2012, que com os juros, chega a R$ 43 milhões. O mesmo valor pelos danos morais impostos aos indígenas, após a expulsão.

A ação do MPF afirma que “a demora na demarcação tem ocasionado graves prejuízos aos povos indígenas, seja pela invasão de suas terras tradicionais por posseiros, seja pela exploração ilegal dos recursos naturais das terras indígenas, seja pela desagregação cultural ocasionada aos povos indígenas”.

Homem é preso transportando de carro roubado em guincho para despistar polícia
Para despistar a polícia, um homem, de 30 anos, contratou um guincho para transportar um veículo Mitsubishi ASX, roubado em Canoas (RS), mas acabou p...
Médico abandona plantão e pacientes ficam sem atendimento em hospital
O médico Carlos José da Costa Duran, 41 anos, foi denunciado à polícia, por desvio de função na manhã deste sábado (03). Ele não compareceu ao plantã...



Jorge, eu trabalhei com os índios do Estado de Mato Grosso do Sul por quase 20 anos e sei o quanto esse povo foi, é e, se depender da opinião recheada de achismo de muitos, continuarão sendo massacrados descaradamente por pessoas de péssimo caráter que pousam como boas pessoas. O conselho que lhe dou é que devore livros e mais livros que relatam a história desses povos. Assim, você dará uma opinião baseada em conhecimento. Abraço...
 
Antonio Carlos do Nascimento em 09/11/2012 17:11:12
e vão fazer o que com este dinheiro? afinal,são índios...diferentes dos brancos em suas origens capitais... eles não querem terra pra plantar e viver como nos seus antepassados? então pra quem a necessidade de dinheiro de indenização??
 
jorge mendes em 09/11/2012 14:38:39
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions