A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

23/02/2015 09:17

No 3° dia de protesto contra alta do diesel caminhoneiros fecham BR-163

Priscilla Peres
Caminhoneiros pedem redução do preço do combustível . (Foto: Eliel Oliveira)Caminhoneiros pedem redução do preço do combustível . (Foto: Eliel Oliveira)

Caminhoneiros bloqueiam rodovia de Mato Grosso do Sul pelo terceiro dia consecutivo. Desde às 8h20 de hoje (23), dezenas de caminhões fecharam a BR-163, no km 256, e apenas ônibus, veículos populares e caminhões com carga viva estão sendo liberados. Há protestos também em São Paulo, Minas Gerais, Paraná, Rio Grande do Sul e Goiás.

Veja Mais
Caminhoneiros bloqueiam parcialmente MS-306 em protesto
Governo estadual marca reunião e caminhoneiros suspendem bloqueio

A CCR MSVia, responsável pela administração da BR-163, está acompanhando o protesto desde o início da manhã, no trecho que liga os municípios de Dourados e Caarapó. Carretas e caminhões estão sendo impedidos de continuar viagem, já que o protesto acontece no rodoanel que dá acesso a cidades vizinhas como Ponta Porã e à divisa com o Paraná. 

O objetivo dos caminhoneiros é chamar a atenção de autoridades para o alto preço dos combustíveis, que influencia no preço do frente e onera tanto o trabalhador, quanto o consumidor. Eles pedem para que o governo reduza o ICMS (Imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias e sobre prestações de serviços).

Durante o fim de semana (21 e 22), caminhoneiros interditaram a MS-306, impedindo a passagem de caminhões, carretas, bitrens e rodotrens. Com a paralisação, formou-se uma fila de 5,5 km de caminhões na rodovia, os pátios dos postos de combustíveis ficaram lotados, além de ruas e avenidas marginais da rodovia, segundo informações do site Jovem Sul News.

Carretas estão proibidas de seguir viagem. (Foto: Eliel Oliveira)Carretas estão proibidas de seguir viagem. (Foto: Eliel Oliveira)

Protesto – Ação semelhante foi realizada em Campo Grande na BR-163 no dia 3 de fevereiro, logo após a visita da presidente Dilma Rousseff à capital sul-mato-grossense. As reivindicações eram praticamente as mesmas, incluíam apenas uma tabela de padronização do valor do frete.

Os secretários estaduais de Governo, Eduardo Riedel e da Casa Civil, Sérgio de Paula, foram até o local para conversar com os caminhoneiros, agendaram uma reunião e conseguiram suspender a interdição.

No encontro, realizado dia 4 de fevereiro, a Cootrapan (Cooperativa dos Transportadores do Estado do Pantanal) apresentou novamente as reivindicações e fez um pedido de socorro devido a uma possível inviabilização do frete em razão do aumento frequente no preço do óleo diesel e na falta de reajuste dos valores cobrados, que segundo a categoria não é reajustada há 13 anos e tem reduzido o lucro das empresas.

Com a interdição da pista, dezenas de caminhoneiros ficaram impedidos de seguir viagem. (Foto: Mario Leandro)Com a interdição da pista, dezenas de caminhoneiros ficaram impedidos de seguir viagem. (Foto: Mario Leandro)
Fila de caminhoneiros já se forma; pista está interditada desde às 8h20. (Foto: Eliel Oliveira)Fila de caminhoneiros já se forma; pista está interditada desde às 8h20. (Foto: Eliel Oliveira)



Parabens mesmo, pois eles poderiam simplesmente repassar o aumento para o valor do frete, obrigando as empresas a repassarem o aumento para o valor das mercadorias, sobrando mais uma vez para o consumidor final, nós.
O brasileiro é um bicho acomodado, se todos fizessem como os caminhoneiros, ou se pelo menos nos unirmos e realmente não comprarmos um litro de gasolina nos postos da petrobras, talvez conseguissemos alguma coisa, mas isso não existe, ninguem se une, todo mundo reclama mas ninguem faz nada.
 
Max em 23/02/2015 12:15:59
Parabéns caminhoneiros, vocês são os únicos até agora que saíram pra rua para protestar contra essa roubalheira e aumento de impostos.
Fora Pe/Tra/lhas
 
wild em 23/02/2015 11:41:26
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions