A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

30/05/2013 13:19

Órgãos indígenas não foram avisados sobre ação de reintegração, afirma Cimi

Aliny Mary Dias
Ação começou na manhã desta quinta-feira (30) (Foto: João Garrigó)Ação começou na manhã desta quinta-feira (30) (Foto: João Garrigó)

O Cimi (Conselho Indigenista Missionário) em Mato Grosso do Sul acompanha a ação de reintegração de posse da Fazenda Buriti ocorrida na manhã desta quinta-feira (30) em Dois Irmãos do Buriti. Conforme o assessor jurídico do órgão, Luiz Henrique Eloy, a ação da Polícia Federal "foi errada", porque a Funai (Fundação Nacional da Índio) e o Conselho não foram avisados sobre a reintegração que acabou com um índio morto e outros 5 feridos.

Veja Mais
Sobe para cinco número de índios feridos em confronto com a Polícia
Da área do conflito, índios dizem que vão resistir “até morrer” e acusam PF

“Nossa postura é contra o ato da polícia de fazer a reintegração sem a presença de autoridades de defesa dos direitos humanos”, afirma o advogado.

O indígena Oziel Gabriel, de 35 anos, morreu e pelo menos outros cinco ficaram feridos durante o confronto com a polícia. Quatro foram levados para o hospital beneficente Dona Elmira Silvério Barbosa, em Sidrolândia. Outro indígena deu entrada no Hospital de Dois Irmãos do Buriti.

Luiz explica ainda que o Cimi ficou sabendo da ação logo cedo quando indígenas ligaram para informar sobre a ação truculenta dos policiais.

“Todos foram pegos de surpresa e isso é resultado de um descaso do Governo Federal em resolver a situação da demarcação de terra. É a própria omissão do Governo que causa essas morter”, diz Luiz.

Uma equipe do Conselho segue para Sidrolândia com objetivo de acompanhar as ações e apoiar a comunidade indígena e a família de Oziel Gabriel, de 35 anos, morto durante o confronto.

Confronto - A fazenda foi invadida pelos terenas em 15 de maio. No mesmo dia, saiu uma decisão para que os índios deixassem o local. Mas a reintegração não foi cumprida no dia 18 e a decisão acabou suspensa até ontem, quando foi realizada audiência na Justiça Federal. Sem acordo entre as partes, o juiz Ronaldo José da Silva determinou o cumprimento da reintegração de posse.

Os índios reivindicam 17 mil hectares da aldeia Buriti que estão na posse de fazendeiros e que foram identificados em 2011 como terra indígena.

A operação da manhã desta quinta conta com a Polícia Federal, Polícia Militar, Bombeiros, médicos do Samu e policiais da Companhia de Gerenciamento de Crises e Operações Especiais (Cigcoe).




Sabe o que falta na funai?uma gestão competente que lute pelos 'direitos indigenas"direitos sem invasões,sem mortes,com justiça,que invasões geram discordias e que nada se conquista pela violencia,pois deixarão de ser indigenas e serão uma facção criminosa
Cimi preguem que a terra foi feita para ser cultivada,não para crescer mato,que apropriação indevida é crime e que DEUS não se agrada disso
A partir do momento que as coisas partirem do principio da sabedoria,da justiça,do verdadeiro interesse em cuidar,produzir e progredir na terra e não por interesse gananciosos a situação vai mudar
 
brunna santos em 31/05/2013 13:55:31
Não foram comunicados?desculpe-me,mas a funai e o cimi são desinformados e desatualizados,pois ontem passou em rede nacional em um jornal de grande credibilidade no pais sobre a reintegração de posse da fazenda BURITI, decidida durante uma reunião no tribunal de justiça federal
FUNAI E CIMI pleteiem melhores condições de vida nas terras em que os indigenas já possuem e dem a esse povo dignidade
Voces são conscientes de como foi feita a invasão da fazenda BURITI, funcionários e proprietários sairam escoltados pela policia federal, aos inves dos indigenas usufruirem e conservarem o que já tinha naquela fazenda eles depredaram, porque os indigenas não permitiam imagem do local? Lutem pelos seus direitos, porem cumpram seus deveres e respeitem o direito alheio
 
marry cristina em 30/05/2013 13:45:24
Tudo balela , essas organizações vivem da miséria do índio, e do desespero do produtor , esses missionários de araque é da turma do quanto pior melhor .....Nunca se viu bandeiras ou projetos de modernização das aldeias ,de se por uma escola profissionalizante nas aldeias, industrias dentro das aldeias. O que se tem é miséria ,miséria e mais miséria..... Há tbem muita droga e naturalmente traficantes, tem tbem muito suicídio......
 
joão molento em 30/05/2013 13:42:25
Srs do cimi, na invasao que VOCES promoveram tinha alguma ,autoridade de defesa dos direitos humano???? Façam o favor!!! Fizeram caca e agora estao tentando botar a culpa nos outros!!! Facil fazer caridade com o dinheiro dos outros.
 
Alex Andre De Souza em 30/05/2013 13:38:51
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions