A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 25 de Fevereiro de 2017

03/12/2014 09:33

Paraguaios trabalhavam sem salários e com alimentação precária em Coxim

Luciana Brazil
Grupo de paraguaios é resgatado em trabalho escravo. (Foto: Edição MS)Grupo de paraguaios é resgatado em trabalho escravo. (Foto: Edição MS)

Um grupo de 17 pessoas, entre elas 12 paraguaios, foram resgatados ontem (3) de uma fazenda na BR-359, em Coxim, a 260 quilômetros de Campo Grande, onde eram obrigados a trabalhar sem remuneração, com alimentação escassa e em situação precária.

De acordo com a delegada que cumpriu o flagrante, Sandra Regina Simão de Brito Araújo, 15 pessoas já foram ouvidas. O arrendatário da fazenda Morada do Sol II também será chamado para prestar depoimento. Ele pode responder pelo crime de redução à condição análoga à de escravo.

Entre os trabalhadores, estavam três adolescentes, um deles de 15 anos. O mais velho do grupo tinha 53 anos. A PM (Polícia Militar) de Coxim foi quem flagrou os trabalhadores após uma denúncia anônima. Conforme a delegada, a maior parte do grupo estava a menos de um mês no local e foram contratados para cortar madeira de eucalipto.

“Eles cortavam, empilhavam a madeira e depois carregavam os caminhões e depois descarregavam em um frigorífico”, conta a delgada.

Um dos trabalhadores disse à polícia que o grupo deveria carregar 13 caminhões de eucalipto para receber R$ 750,00. Mas segundo eles, em quase um mês de trabalho tinham carregado apenas seis caminhões. “Além disso, uma carreta e o trator estavam estragados. Eles não conseguiriam carregar esses veículos”, alertou Sandra Regina.

Conforme os depoimentos, os alimentos eram extremamente escassos e um dos homens chegou a beber água suja.

Os paraguaios chegaram ao Brasil em uma van e deverão ficar no país até quinta-feira (4) quando devem ser ouvidos pelo MPT (Ministério Público do Trabalho). Eles foram abrigados em um alberque onde recebem água e comida.

Ainda segundo a delegada, já havia outra denúncia feita ao MPT que desencadearia uma ação de resgate na fazenda.

Policiais da Rotai chegam até a fazenda. (Foto: Cícero Lima)Policiais da Rotai chegam até a fazenda. (Foto: Cícero Lima)
Apuração no HR conclui que não houve 'falha ética' em mortes no local
Uma investigação interna realizada pela direção do HR (Hospital Regional) de Ponta Porã - cidade localizada a 323 km de Campo Grande para apurar a mo...
Carreta da Justiça oferecerá serviços a partir do próximo dia 13
Carreta da Justiça, programa do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) que oferece serviços do judiciário de forma gratuita, chegará ao mun...



imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions