A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

30/04/2013 11:08

PF indicia ex-prefeito e mais 5 por participação na Máfia dos Sanguessugas

Aline dos Santos

O ex-prefeito de Água Clara, Ésio Vicente de Matos, foi indiciado pela PF (Polícia Federal) por participação no esquema da Máfia dos Sanguessugaa. A investigação da polícia de Três Lagoas é referente a processo licitatório realizado em 2004.

Veja Mais
Tetila alega inocência e diz estar fora da investigação dos Sanguessugas
Tetila e João Grandão viram réus em ação da Máfia dos Sanguessugas

Também foram indiciados dos servidores do setor de licitações da Prefeitura, um empresário de Curitiba (PR), um economista de Campo Grande e um advogado de Bauru (SP). O advogado atuava como procurador jurídico e o economista como assessor e consultor junto ao setor de licitações em Água Clara.

A apuração, iniciada em 2010, verificou fraude na aquisição de unidade móvel de saúde. Ao invés da modalidade Tomada de Preços, dois procedimentos foram realizados por Cartas Convites.

Conforme o inquérito, a administração comprou um ônibus com equipamentos médico-odontológicos pelo valor de R$ 96 mil, sendo R$ 84 mil repassados pelo Ministério da Saúde e R$ 12 mil de contrapartida do próprio município.

A forma de compra reduziu a publicidade, afastou potenciais interessados em participar e direcionou as licitações para que fossem vencidas por empresa pertencente à Máfia da Sanguessuga.

O ex-prefeito foi indiciado por crime de responsabilidade e formação de quadrilha, enquanto os demais por fraude em licitação e formação de quadrilha, com penas que variam de 2 a 12 anos de reclusão. A reportagem tentou, sem sucesso, localizar o ex-prefeito, que, atualmente, responde pelo setor de esporte do município.

O inquérito foi remetido ao Ministério Público Federal, que pode oferecer denúncia ou arquivar o inquérito. O esquema criminoso, disseminado pelo país, fraudou licitações e desviou verbas públicas destinadas à aquisição de veículos e equipamentos médicos e odontológicos, principalmente ambulâncias.

A máfia tinha colaboração de parlamentares, empresários e servidores públicos. A investigação sobre Água Clara começou após a PF de Cuiabá repassar dados referentes a Mato Grosso do Sul.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions