A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

25/03/2014 10:15

PF investiga médico por retirar sofá e computador de clínica na Santa Casa

Aline dos Santos
Clínica funciona há oito anos na Santa Casa de Corumbá. (Foto: Erik Silva/Capital do Pantanal)Clínica funciona há oito anos na Santa Casa de Corumbá. (Foto: Erik Silva/Capital do Pantanal)

A PF (Polícia Federal) abriu inquérito na sexta-feira para investigar o médico Marco Antônio Duarte Cazzolato pela retirada de móveis e computador da clínica particular Ceon (Centro Especializado em Oncologia), que funciona na Santa Casa de Corumbá.

Veja Mais
Fiems pede que governo mantenha contratos de incentivos fiscais
Reinaldo chega a Dourados para lançamento e entregas de obras

De acordo com o delegado Alexandre Nascimento, a PF recebeu denúncia anônima de que bens adquiridos com dinheiro público, como sofás, cadeiras e computadores, foram levados pelo médico.

“Nós fomos ao local, constatamos a situação, mas não tinha prova cabal de aqueles bens eram públicos”, afirma o delegado. Segundo ele, a falta de prova também impossibilitou a prisão em flagrante. É apurado se houve crime de peculato, quando funcionário público se apropria de bem público.

“O Ceon tem convênio com o SUS e recebeu quase R$ 1 milhão para a estruturação do serviço”, salienta o delegado. O inquérito vai apurar se os móveis retirados foram ou não adquirido com verba pública. Segundo Nascimento, o médico deve prestar depoimento amanhã.

Alvo da investigação, o cirurgião-geral e oncologista Marco Antônio Cazzolato afirma que retirou um jogo de sofá e duas cadeiras. “Mas tenho nota fiscal dessas mercadorias em nome da Ceon Corumbá”, diz.

O médico reclama que é vítima de perseguição política, que teria forçado, inclusive, a antecipação do fim de contrato entre o grupo, que oferta o tratamento para quimioterapia, e a Santa Casa.

“É uma empresa terceirizada para a Santa Casa. Não tenho convênio com a Prefeitura nem com o Ministério da Saúde. O meu contrato é com a Santa Casa de Corumbá”, reitera.

Marco Antônio reclama da conduta policial. “Me deu voz de prisão por peculato. É um despreparado [ o delegado]. Aqui é tudo particular”, diz.

A Ceon vai deixar a Santa Casa até 21 de abril. Segundo o médico, o comodato era por 20 anos e ainda restavam 12 anos do prazo. “O contrato previa a renegociação anual. Mas, para a gente ir embora, ofereceram 30% do valor solicitado”, afirma. A previsão é que o Ceon feche as portas em 17 de abril.

O médico diz que tem abaixo-assinado com 13 mil assinaturas pedindo a manutenção do serviço e, que até o momento, não foi anunciado quem assume o setor. “É uma tentativa covarde de nos retirar daqui, mesmo com a população toda ao nosso lado”. Ele afirma que uma clínica especializada em hemodiálise segue funcionando nos mesmos moldes do Ceon dentro da Santa Casa.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions