A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

25/08/2012 19:22

Funcionários de fazenda viram avião perder força e cair, matando três

Nyelder Rodrigues e Mariana Lopes, de Água Clara
Vizinho do local onde caiu avião fotografou destroços e mostrou à equipe do Campo Grande News presente no local (Foto: Minamar Junior)Vizinho do local onde caiu avião fotografou destroços e mostrou à equipe do Campo Grande News presente no local (Foto: Minamar Junior)

O piloto da aeronave Cessna 210, prefixo PT-OKZ, que caiu por volta das 8h deste sábado (25) na fazenda Serena, a 60 km de Água Clara, foi identificado como Teodoro Janjon. Funcionários da fazenda onde o avião caiu contaram que houve uma forte aceleração de motor e na sequencia a aeronave perdeu força e caiu.

Veja Mais
Militares vêm de SP para analisar queda de avião em Água Clara
Políticos lamentam morte de empresário em queda de avião em Água Clara

Além do piloto, o empresário Orestes Prata Tibery Junior, da empresa Ourofino Agronegócio LTDA, e a esposa, Ellen Martins Prata Tibery, também morreram no acidente. Janjon acompanhava a família há vários anos.

A aeronave saiu de Três Lagoas, cidade localizada a 338 quilômetros de Campo Grande, às 7h30, rumo a fazenda Vista Alegre, no município de Água Clara, que fica a 198 quilômetros da Capital. A queda aconteceu às 8h.

Conforme relato dos funcionários da fazenda Serena ao delegado de Polícia Civil de Água Clara, Nilson Martins, eles escutaram uma forte aceleração de motor, que logo em seguida entrou em pane. A aeronave começou a perder altura e ficar fora da vista dos funcionários.

Logo depois, um barulho foi ouvido, sem explosão. Muita poeira subia do local, junto com uma densa fumaça. Os mesmos funcionários foram que avisaram a polícia sobre a queda da aeronave no local.

De acordo com o delegado Nilson Martins, a aeronave caiu de ponta, fazendo um buraco no chão. Ainda assim, depois do primeiro impacto, ela ainda seguiu arrastando no chão, deixando destroços espalhados por 100 metros.

A família de Orestes e Ellen Prata Tibery foram ao local do acidente. Segundo os filhos do casal, a aeronave estava em dia com as revisões, totalmente regularizada. Já conforme a polícia, é pouco provável que ela tenha caixa- preta, equipamento que grava as atividades durante o vôo.

A equipe da Anac (Agência Nacional de Aviação Civíl) que também vai investigar o caso já chegou à Campo Grande, e vai embarcar neste domingo (26) para a Água Clara.

Jornalistas não foram autorizados a ter acesso ao local do acidente, podendo apenas a Polícia Militar e a Perícia irem até lá (Foto: Minamar Junior)Jornalistas não foram autorizados a ter acesso ao local do acidente, podendo apenas a Polícia Militar e a Perícia irem até lá (Foto: Minamar Junior)
Delegado Nilson Martins conta que a aeronave caiu de ponta, deixando um buraco no chão. É pouco provável que o avião tenha caixa-preta (Foto: Minamar Junior)Delegado Nilson Martins conta que a aeronave caiu de ponta, deixando um buraco no chão. É pouco provável que o avião tenha caixa-preta (Foto: Minamar Junior)



220 quilômetros por hora (como o monomotor Cessna 150). Mas já há modelos sendo desenvolvidos que podem ser instalados em aeronaves de até 1 500 quilos (como o bimotor Piper Cherokee). O peso do equipamento varia de 2 a 4% do peso do avião.

 
CARLOS FALCAO em 27/08/2012 08:38:58
Concordo plenamente com você, Carlos Falcão. Essas pequenas aeronaves deveriam sair de fábrica com algum tipo de dispositivo de segurança, para proteger os passageiros, que em caso como esse, ficaram sem ação diante da pane em o avião sofreu. Lamento profundamente as perdas dessas vidas. Deus console os corações dos familiares das vítimas.
 
João Espíndola em 26/08/2012 12:07:10
tira o pára-quedas do cartucho onde ele está enrolado, empurrando-o para o alto”, explica o engenheiro mecânico aeronáutico Ivan Celso de Castilho, da Aerodesign, empresa que produz o equipamento, em Minas Gerais. Com o pára-quedas inflado, o avião perde velocidade e cai lentamente no chão. Por enquanto, só é possível usar esse sistema em aviões de até 750 quilos que atinjam uma velocidade de 220
 
CARLOS FALCAO em 26/08/2012 06:49:24
Como funcionam os pára-quedas para pequenos aviões?



Funcionam mais ou menos como os pára-quedas usados por uma pessoa. Nas aeronaves que possuem esse equipamento, quando o piloto percebe algum problema mais sério, desliga o combustível e o sistema elétrico e puxa uma argola, que fica dentro da cabine e dispara gases. “Esses gases impulsionam um foguete que, em meio segundo....
 
CARLOS FALCAO em 26/08/2012 06:48:27
Amigo "Janjão", que DEUS te guarde.
A você que era um homem do bem, dedicado a familia e excelente Piloto, meus mais profundos agradecimentos aos ensinamentos que me deu no início da minha carreira em Cuiabá.
Forte Abraço
 
Pedro Lacerda em 26/08/2012 05:49:23
a pecuaria sulmatogrossense e do BRASIL sofre uma de suas maiores perdas, meus pessames a toda familia do Orestinho.
 
francisco dos santos em 26/08/2012 02:40:56
Por que essas pequenas aeronaves não dispoêm de um dispositivo pára-quedas para em casos como esse diminuir o impacto no solo em caso de queda ou pane,acho que se fizerem isto muitas vidas poderão ser salvas.se um dia eu ter um avião mono motor vou colocar nele se deus quizer.
 
CARLOS FALCÃO em 25/08/2012 09:59:10
PARA NÓS DE NOVA ODESSA,SÓ RESTA LAMENTAR A PERDA DE UMA PESSOA MUITO ESTIMADA.PILOTO HÁ ANOS COM MUITAS HORAS DE VÔO...A FAMÍLIA QUE É MUITO QUERIDA SOFRE ESTA PERDA ,NA CERTEZA QUE O TEODORO(CONHECIDO COMO TED),ESTA JUNTO DE DEUS.A FAMÍLIA DE TODOS AS CONSOLAÇÕES QUE SÓ DEUS PODERÁ DAR...
 
ROSELI FERNANDES em 25/08/2012 09:35:48
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions