A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

21/10/2011 18:44

Polícia fará hoje simulação do assassinato de tenente em Cassilândia

Viviane Oliveira

O suspeito estava detido no Presídio Militar de Campo Grande e embarcou hoje para Cassilândia

Eufrásio morreu no sábado (15), após ser chamado para resolver uma ocorrência de violência doméstica. (Foto: Cassilândia/News)Eufrásio morreu no sábado (15), após ser chamado para resolver uma ocorrência de violência doméstica. (Foto: Cassilândia/News)

Será realizada nesta sexta-feira (21) a simulação do assassinato do tenente Mário José Eufrásio da Silva, 49 anos, morto no último sábado (15), em Cassilândia, cidade distante 418 quilômetros de Campo Grande.

De acordo com o site Cassilândia News, o delegado responsável pelo caso, Rodrigo de Freitas, disse que a reconstituição não será aberta a população. Poderão participar apenas a Polícia Civil e Militar.

Segundo a Polícia Civil, o principal suspeito pela morte do tenente, o soldado da Polícia Militar Adriano Paulo da Silva, 34 anos, já está na cidade para a simulação do crime. Ele estava detido no Presídio Militar de Campo Grande e chegou hoje à tarde ao município.

O delegado disse que a intenção é descobrir a verdade. “Nós não estamos aqui para passar a mão na cabeça de ninguém. Estou aqui para apurar o fato. Quero saber a verdade, e depois vou encaminhar ao judiciário”, finaliza.

O caso - Eufrásio morreu no sábado (15), após ser chamado para resolver uma ocorrência na casa de Adriano. O comandante foi atingido por três tiros. Da arma do suspeito partiram duas balas calibre 38, que atingiram o abdômen de Eufrásio.

Da cabeça, foi retirada munição calibre.40, a mesma utilizada pelos soldados Steffaner Beitiol de Freitas e José Antônio Ferreira Carapiá, que no dia do crime estavam em serviço e também foram até a casa de Paulão, depois que a esposa dele procurou o quartel da PM para denunciar a violência doméstica.

Em depoimento, um dos soldados admitiu ter disparado, na tentativa de imobilizar Paulão, que atirava contra o comandante. “Eles estavam muito chocados e, inclusive, choraram durante o depoimento”, conta o delegado.

Na casa foi encontrada uma munição da pistola do policial, mas eles alegam que não se recordam do segundo disparo que pode ter atingido a cabeça do comandante.

O delegado já ouviu os quatro PMs que estavam na casa no momento do crime. Os soldados que atenderam primeiro a ocorrência disseram que Paulão estava alterado e aparentando embriaguez. Ele não autorizou exame de alcoolemia e preferiu ficar calado, sem prestar qualquer esclarecimento.

Outro que já prestou depoimento foi o sargento chamado pelo próprio Paulão para ir até a residência do casal, para cuidar do filho de 1 ano, já que é amigo da família. O sargento e o comandante estavam de férias, por isso ambos não tinham armas.

Os exames de balística serão feitos em Campo Grande e os resultados devem ficar prontos em uma semana.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions