A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Quarta-feira, 07 de Dezembro de 2016

29/08/2011 16:17

Polícia Federal prende seis e cumpre mandado de busca na aldeia Buriti

Paula Maciulevicius

PF ainda cumpre 14 mandados de busca e apreensão

Parte dos mandados foi cumprido na fazenda 3R, retomada pelos terena em maio deste ano. (Foto: João Garrigó/Arquivo)Parte dos mandados foi cumprido na fazenda 3R, retomada pelos terena em maio deste ano. (Foto: João Garrigó/Arquivo)

A Polícia Federal prendeu seis líderes indígenas na aldeia Buriti, em Sidrolândia, nesta segunda-feira. Além das prisões temporárias, equipes da Polícia estão cumprindo 14 mandados de busca e apreensão, 13 deles na aldeia e um na sede da fazenda 3R, retomada desde o dia 10 de maio.

Os índios já estão na Capital, na sede da PF (Polícia Federal). A prisão temporária é válida por cinco dias. Segundo a Polícia foi instaurado inquérito para apurar crimes de ameaça, cárcere privado, posse e porte ilegal de arma de fogo.

No local ainda está uma equipe da PF, Cigcoe (Companhia Independente de Gerenciamento de Crise e Operações Especiais) e do Corpo de Bombeiros.

Segundo a PF, as prisões são por conta de crimes que teriam acontecido durante a retomada da fazenda 3R e vão consolidar mais provas contra as lideranças.

A PF vai ainda elaborar ofício para o sistema presidiário do Estado porque a Polícia não tem custódia para manter os indígenas.

Retomada - Os índios da região são de etnia terena e avançaram na retomada da fazenda 3R em maio deste ano. Somente durante este episódio de retomada, os indígenas mantiveram refém o coordenador regional da Funai, Edson Fagundes e ainda o chefe do Meio Ambiente, Ricardo Araújo.

Desde então, mais de 2 mil indígenas ocupam a região.

Os terena lutam pela demarcação da terra indígena Buriti, correspondente a 17,2 mil hectares, reivindicada há décadas, mas que só foi identificada pela Funai em agosto de 2001.

Após a publicação do relatório de identificação, fazendeiros da região pediram na Justiça que fosse declarada a nulidade da identificação antropológica.

Depois de nove anos de espera, com a decisão do Tribunal Regional Federal da 3ª Região, de São Paulo, reconhecendo os direitos territoriais dos terena, foi publicada a portaria declaratória pelo Ministério da Justiça, com os limites da terra indígena Buriti.

De lá para cá, foram diversas movimentações do povo terena pedindo rapidez no julgamento dos processos e a conclusão das demarcações. Em Outubro de 2009, houve uma grande mobilização de retomada de terras, em que os terena acabaram sendo violentamente expulsos por ação da Polícia Militar do Estado em conjunto com fazendeiros, sem que houvesse ordem judicial para isso.




Porque não colocaram na reportagem que o CIGCOE estava lá para fazer a segurança da PF? Essa tropa de elite da PM, esta em todas mesmo!!! Eles são os caras,policia de verdade com salário de mentira! Vamos aprovar a PEC!!!!!
 
Paulo da Silva em 29/08/2011 08:16:40
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions