A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

02/11/2012 16:11

Polícia Federal retira Kadiwéus de fazenda em Porto Murtinho

Paula Vitorino

Cerca de 60 famílias Kadiwéu começaram a ser retiradas ontem pela Polícia Federal de área de cerca de 160 mil hectares no município de Porto Murtinho, na fazenda Santa Mônica. A informação foi divulgada pelo Cimi (Conselho Indigenista Missionário).

Veja Mais
Kadiwéus têm 30 dias para sair de fazenda invadida em Porto Murtinho
Segundo Cimi, kadiwéus retomaram terra invadida por fazendeiros no Pantanal

Os indígenas divulgaram boletim afirmando que irão continuar na área até a decisão final do STF (Supremo Tribunal Federal).

"A gente respeita autoridade. Mas no momento em que não respeitam a gente, a gente não pode deixar que eles abusem da autoridade. Eles têm que ter respeito com a comunidade. A terra é nossa", disse o presidente da Associação das Comunidades Indígenas da Reserva Kadiwéu (ACIRK), Francisco Matchua.

A demarcação da reserva dos kadiwéus, na região do Pantanal, foi em 1981. Dos 538 mil hectares, 160 mil estão em disputa na Justiça desde 1987. O processo tramita há 25 anos no STF (Superior Tribunal Federal). A área foi ocupada pelos índios em maio deste ano.

Uma liminar da Justiça Federal, em setembro, determinou a retirada dos índios da área em 30 dias.

O Ministério Público Federal-MS (MPF) entrou com um recurso contra a decisão, ainda não julgado, e uma liminar que pedia a suspensão da reintegração e desocupação. O pedido foi negado pela Justiça.

Em solidariedade aos Kadiwéu, um grupo de 50 indígenas Terena da região do Pantanal se deslocou para a área da retomada.

A reportagem tentou entrar em contato com a PF e o CIMI, mas não obteve retorno. A Polícia Militar e o Exército de Porto Murtinho disseram que não foram acionados.

Perseguição - No último sábado (27), de acordo com o Cimi, um historiador, um advogado e quatro lideranças indígenas foram perseguidos por cerca de 20 homens armados em seis caminhonetes.

O advogado do Cimi, o indígena Terena Luiz Henrique Eloy, disse ter sentido na pele "a guerra instalada em Mato Grosso do Sul contra os índios".

A perseguição aconteceu durante uma visita do grupo ao território dos indígenas, que deve ser desocupado.

Dois homens são presos por suspeita de estupro de adolescentes
Dois homens foram presos por estupro de vulnerável em Laguna Carapã, 287 km de Campo Grande. Eles têm 28 e 24 anos e teriam tido relação sexual com a...
Dupla armada invade madeireira e rouba dinheiro do pagamento de funcionários
Dois homens armados invadiram uma madeireira e roubaram R$ 15 mil por volta das 15h30 de ontem (9) no Distrito Industrial de Dourados - distante 233 ...



Nesse caso,eu defendo a morte coletiva.. de todos os brasileiros, pois na verdade, a terra pertence ao indios.. todos - menos a tal da justiça que concede induto e habeas corpus aos bandidos que não sabe - que quando Cabral aqui chegou, já tinha indios e agora querem tirar os silvicolas de suas terras? sacanagem e das bravas.. MORTE COLETIVA A TODOS OS BRASILEIROS!!!!!!!
 
Gilson Giordano em 02/11/2012 19:10:20
eu nao tenho terras perto dos indios mas penso que teriamos que desocupar primeiro copacabana e santos no litoral pois tudo ali era deles.
 
ademar faria em 02/11/2012 17:56:24
imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions