A notícia da terra a um clique de você.
Campo Grande, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

19/10/2011 17:45

Policial que matou tenente responderá pelo crime na Justiça Militar

Ana Paula Carvalho
Tenente (a esquerda) no dia 9 de setembro, quando assumiu comando em Cassilândia. (Foto: A Trinuna News)Tenente (a esquerda) no dia 9 de setembro, quando assumiu comando em Cassilândia. (Foto: A Trinuna News)

O soldado da Polícia Militar Adriano Paulo da Silva, de 34 anos, responderá por ter matado o comandante da PM de Cassilândia, tenente Mario José Eufrásio da Silva, de 49 anos, na Justiça Militar.

Veja Mais
PM que atirou em tenente tem prisão decretada após ameaçar testemunhas
Tiro que atingiu cabeça de comandante não partiu da arma de acusado

De acordo com o vice-presidente da ACS (Associação de Cabos e Soldados da Polícia Militar e Bombeiro Militar de Mato Grosso do Sul), Cláudio Souza, é direito do soldado ser julgado na Corporação, já que vítima e autor eram militares e o soldado utilizava um revólver do Estado. “A legislação prevê a transferência do caso da justiça comum para a militar já que ele estava com uma arma de carga e os dois eram policiais”, reforça.

Ainda de acordo com ele, o crime só poderia ser julgado na justiça comum se a vítima fosse um civil e o autor, militar, não estivesse de serviço ou utilizasse uma arma particular.

Na segunda-feira (17) a juíza de Direito de Cassilândia, Luciane Buriasco Isquerdo, decretou a prisão preventiva do soldado conhecido como “Paulão”.

Ela entendeu que ele poderia ameaçar as testemunhas, já que uma delas foi ameaçada por ele logo após o crime. “Pelo risco de ameaça às testemunhas, tendo havido ameaça no curso dos fatos a uma delas e tudo demonstrando por ora que o acusado não se submete a trâmites legais pela maneira que se comportou, donde se vê que pode vir a ameaçar testemunhas”, afirmou durante as justificativas.

Segundo Cláudio, mesmo sendo crime militar, ela tem Poder Pátrio, ou seja, pode pedir a prisão, desde que ela entenda que isso é necessário.

Comandante Geral - Na manhã desta quarta-feira (19) o comandante da Polícia Militar de Mato Grosso do Sul, Carlos Alberto David dos Santos, afirmou que já foi instaurado procedimento administrativo para investigar o fato, as armas foram encaminhadas ao exame de balística para identificar de qual arma os tiros foram disparados. O processo já está em auditoria militar.

O caso - Eufrásio morreu no sábado, após ser chamado para resolver uma ocorrência na casa de Adriano. O comandante foi atingido por três tiros. Da arma do suspeito partiram duas balas calibre 38, que atingiram o abdome de Eufrásio.

Da cabeça, foi retirada munição calibre .40, a mesma utilizada pelos soldados Steffaner Beitiol de Freitas e José Antônio Ferreira carapiá, que no dia do crime estavam em serviço e também foram até a casa de Paulão, depois que a esposa dele procurou o quartel da PM para denunciar violência doméstica.

Em depoimento, um dos soldados admitiu ter disparado, na tentativa de imobilizar Paulão, que atirava contra o comandante. “Eles estavam muito chocados e, inclusive, choraram durante o depoimento”, conta o delegado.

Na casa foi encontrada uma munição da pistola do Polícia, mas alega que não se recorda do segundo disparo que pode ter atingido a cabeça do comandante.

Os exames de balística serão feitos em Campo Grande e os resultados devem ficar prontos em uma semana.




imagem transparente

Classificados


Desenvolvido por Idalus Internet Solutions